Colunistas
Em memória - Renato Zenker - Meio Ambiente
Por Em memória - Renato Zenker - Meio Ambiente
Engenheiro Agronomo e Secretário Municipal do Meio Ambiente de Camaquã

ÁGUA! A QUESTÃO SEM LIMITES

Publicado: 18/06/2017 às 10:50 | Fonte: Renato Zenker

A escassez da água potável atualmente no nosso planeta, deixa claro que se constitui valor estratégico. A água passará a ser um elemento de disputa econômica e política no âmbito municipal, estadual, da união e até internacional.

O valor econômico, social e ambiental da água, toma contornos de extrema delicadeza, quando se projeta qualquer atividade ou empreendimento tanto na área urbana como rural. Quando o homem se apropria e usa indiscriminadamente a água, agredindo sua pureza, está infringindo o mais fundamental dos compromissos com a vida nessa nossa nave espacial que se chama Terra. O comprometimento das águas superficiais tem diversas causas como: águas residuais, resíduos industriais, mineração, erosão,  agricultura e outros. A partir desse acontecimento inicia-se o agravante da contaminação das águas profundas.

O uso da água deve ser racionalizado. Sabemos que nesse momento a agricultura usa 65 % do total da água consumida, apontando claramente por onde deve ser iniciado o trabalho. São necessárias a locação de alternativas econômicas para a agricultura, com um vigoroso plano de assistência técnica, investimentos pesados na conservação do solo, aumento dos reservatórios de água como alternativa econômica como a piscicultura e uso racional na irrigação.

A água alem de atender as necessidades intrínsecas da vida, ainda participa das nossas paisagens tropicais, compondo na natureza com outros valores naturais, os horizontes de um potencial turístico invejável, que o Rio Grande do Sul mantém, em sua maior parte, adormecido. São milhares de dólares que deixam de circular em nossa economia, por falta de um plano de exploração do potencial turístico.

A água jorra no nosso estado de todos as fronteiras, sangra das entranhas  do nosso solo cortando e recortando  os horizonte gaúcho, formando em alguns pontos composições de rara beleza.

No ciclo hidrológico a água participa de todas as formas de vida, na atmosfera, na superfície  e nas profundezas do solo. A água compõe os seres vivos nos seus tecidos, está presente em todos os locais e em todos os momentos, mostrando a importância de administrar seu uso com competência e respeito. Ela é por excelência um líquido sagrado.

No Brasil 20% dos brasileiros não tem acesso a rede de água. 92% dos esgotos não são tratados adequadamente e enquanto se gasta no Brasil R$60,00 em assistência médica, são destinados apenas R$1,00 ao saneamento, que representa a prevenção de doenças. Isso beira a calamidade.

A água no solo possibilita a existência e o trabalho dos microorganismos, promove o arejamento com seu deslocamento para as camadas profundas, formando um ciclo influente na fertilização.

O problema de contaminação dos mananciais é mundial e esses tópicos mostram a necessidade de formação, instrumentalização e investimentos em mecanismos, onde toda a sociedade e suas instituições participem  num compromisso intransferível e ai estão os Comitês de Gerenciamentos para administrar esses complexos mecanismos.

Pelo menos nós pensamos assim