Colunistas

Adivinha quem esta na fossa por tua causa?

15/02/2019 - 14h:03min
Luis Claudio

O nome dela era Claudia. Uma loirinha linda e meiga pela qual eu era perdidamente apaixonado. Eu devia ter uns nove ou dez anos quando a conheci no segundo ano do ensino fundamental. Aquela menina, um dos meus primeiros amores, tinha os cabelos curtos e era muito charmosa.  Claro que eu já tinha no meu histórico de paixonites outras decepções amorosas. Mas como eu era muito sonhador, bastava apenas um rostinho bonito e diferente que eu já me apaixonava novamente mas sempre era rejeitado. Minha paixão pela Claudia  seguiu até a quarta-série porque ela foi aprovada e seguiu em frente em outra sala e logo em seguida seguiu para o ensino médio em outra escola me deixando a saudade e a frustração de reprovar 3 anos seguidos na quarta série e perdendo a Claudia de vista para sempre. Ela nem me olhava e acho que tinha até nojo da minha cara porque eu era muito chato e andava sempre mau vestido. Eu lembro que, mesmo no verão, eu ia com as botas de borracha do meu pai que era uns 4 números maiores do que o que eu calçava porque meus tênis K-Chute estavam velhos e rasgados. Ela era uma menina rica perto das minhas condições financeiras, portanto, as chances de ela querer namorar comigo eram praticamente inexistentes. Mas, mesmo assim, eu alimentava a esperança de ela gostar de mim também (Em meus sonhos. Logicamente).

Muitos de meus colegas sabiam que eu gostava dela. Tinha um colega de aula que inclusive morava perto da casa dela. Pois foi ele mesmo que causou uma grande mágoa em minha vida com uma brincadeira de mal gosto que me fez sofrer muito naquele dia mas que hoje, me faz rir demais. Estávamos no recreio sentados no muro baixo e encostados na grade de arame que separava nossa escola da Fábrica da Coca-Cola. Num determinado momento ele olhou para mim com especial atenção e me disse: “Bah Luis Claudio, tu nem sabes quem esta na fossa por tua causa!!!” Quando ele terminou de dizer aquela frase mágica, meu coração disparou! Imaginem só que alguém estava na fossa por minha causa! Poxa vida, logo eu que ninguém gostava ou se importava. Como ele sabia do meu amor por ela, certamente tinha que ser a Claudia que estava sofrendo por mim. Me fiz de desinteressado e fiz a pergunta que acabaria com a minha ansiedade e me faria o menino mais feliz da Escola: “Ah é... quem??!!” Ele se aproximou de mim e sussurrou revelando “quem” estava na fossa por minha causa:” Aquela palavra suja que começa com “me” e termina com “da”.” em seguida meu colega de aula caiu na gargalhada e contou para os outros que estavam na volta. A fossa a qual ele se referia era outra e não aquela que faz sentir saudades da pessoa amada... Com meu coração estraçalhado mas disfarçando com uma risadinha amarela, tive que agüentar a gozação por vários dias. Depois de todos estes anos, só tenho que achar graça e também confessar que já fiz esta brincadeira de mal gosto com vários outros colegas  para descontar aquele momento de humor negro em minha vida.

deixe seu comentário