Colunistas
Catullo Fernandes - Arte, Cultura e História
Por Catullo Fernandes - Arte, Cultura e História
Pesquisador e poeta

Bicentenário de Anita será lembrado com espetáculo cultural na Semana Farroupilha

Publicado: 02/09/2021 às 17:10

O ano de 2021 foi instituído pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul, através da Secretaria da Cultura, como o ano comemorativo ao Bicentenário de Anita Garibaldi, em celebração aos 200 anos de nascimento da heroína de dois mundos (Laguna/SC - 30/08/1821 / Mandriole - Itália - 04/08/1849), com eventos no Uruguai, República de San Marino, Itália e no Brasil. Portanto o tema da Semana Farroupilha “Caminhos de Anita”, não poderia ser mais oportuno.

A Prefeitura de Camaquã através da Secretaria de Desenvolvimento, Inovação, Cultura e Turismo mais uma vez manteve a parceria com o CTG Camaquã para a realização da Semana Farroupilha. Dentre tantas atividades tradicionalistas e culturais consta a apresentação do espetáculo “Garibaldi e Anita - Romance e Revolução”, que será transmitido via live no dia 16 de setembro às 20 horas.

O projeto, que foi criado em 2019, para marcar os 180 anos da travessia do Seival agora empresta o nome ao espetáculo “Garibaldi e Anita - Romance e Revolução”. Organizado pela Criarte o show traz 13 músicas mesclando canções de grandes autores e composições autorais, protagonizado pelos artistas camaquenses Luana Fernandes e Trio Cuerdas y Bombo. 

A cantora Luana Fernandes (Anita) e o trio Cuerdas y Bombo: os irmãos Rafael Cesar da Silva (violão - diretor musical), Paulo André (percussão) e Rodrigo Cesar da Silva (baixo), acompanhados pelo acordeonista Gabriel Romano protagonizam este show exclusivo, que conta ainda com a participação especial do casal de dançarinos Jeankel Lima (Garibaldi) e Gleiciane Schmitz (Manoela). O espetáculo se completa com o artista plástico Caiaque pintando ao vivo uma tela retratando Anita Garibaldi - uma das principais personagens da Revolução Farroupilha (1835-1845), que no final do show será entregue aos organizadores.

O propósito de resgatar esta bela história através de um show único, busca celebrar os 200 anos de nascimento de Anita, data que foi registrada na última segunda-feira, 30 de agosto. Foi a partir do rio Camaquã, que Garibaldi comandou a epopeia dos lanchões construídos nas ilhas. As duas embarcações - o Seival e o Rio Pardo - percorreram a primeira etapa do percurso despistando o inimigo, nas águas da Lagoa dos Patos patrulhadas pela marinha imperial sob o comando do marinheiro inglês John Grenfell. A seguir entre o rio Capivari e a barra do Tramandaí os lanchões foram colocados sobre duas enormes carretas, com rodas de madeira, puxadas por juntas de bois, e transportadas por terra ao longo de 100km. E a partir daí os barcos ingressaram no mar singrando o Atlântico rumo à Santa Catarina. 

Esta ousada manobra militar proporcionou aos farrapos a conquista de Laguna em 22 de julho de 1839, e no dia 29, a fundação da efêmera República Juliana. Embora o naufrágio do Farroupilha, com a morte de diversos companheiros italianos e gaúchos, Garibaldi teve seu esforço amenizado. Ali Garibaldi encontrou Ana Maria de Jesus Ribeiro, hoje conhecida internacionalmente como Anita Garibaldi.

Naquele mesmo ano o mercenário Grenfell adentrou as três bocas do rio Camaquã, liderando uma forte armada e centenas de soldados cumprindo a missão de destruir em definitivo o estaleiro e o que restava da frota farrapa. Garibaldi trocava os barcos pelos cavalos, e rumava para o Uruguai cavalgando ao lado de Anita e de seu filho gaúcho recém-nascido, Menotti. O “herói de dois mundos” jamais voltaria a pisar em terras camaquenses.

O Seival encerra seus dias de glória apreendido pela marinha imperial, e depois fica abandonado até ser transformado em iate mercante com o nome de “Garrafão”. No ano de 1945 foi encontrada uma figueira nos restos da quilha do místico Seival. Transplantada para uma praça de Laguna ficou conhecida como a “Árvore de Anita”. 

Clic Humor com Sabedoria: “Não tenha medo de viver, de correr atrás dos sonhos. Tenha medo de ficar parado.” (Anita Garibaldi)

Em busca de Anitas (Garibaldi e o rio Camaquã)

Vejo a frota farrapa 
esculpida na mata
feita de tarumã...
Quem não conhece a história 
dos dias de glória
no rio Camaquã.
Aquele homem sem medo
enfrentou Chico Pedro
de espada e garrucha,
Garibaldi não esqueceu
o rio que lhe deu
uma alma gaúcha.
Refrão
O condottiere italiano
viveu aragano
per tuta la vita,
Uma epopeia silente
em dois continentes
que nem se acredita...
Foi ali na Pacheca  
na chuva... na seca
que nasceu o estaleiro,
e o grande Seival
seiva de um ideal
do sangue guerreiro.
Foram carretas de bois
que de dois a dois
levavam os barcos,
Negaceando o inimigo
navegando o perigo
na Lagoa dos Patos.
Refrão
O condottiere italiano
viveu aragano
per tuta la vita
Uma epopeia silente
em dois continentes
que nem se acredita...
Naqueles dias de guerra 
a dura lida da terra
e a dança das águas. 
Testemunhas da dor
Restaram as mágoas
na batalha do amor.
Na Estância da Barra
entre velas e amarras,
o olhar triste de Manoela.
A protegida de Bento
Esperou com o vento
Olhando o rio da janela.
Refrão
O condottiere italiano
viveu aragano
per tuta la vita…
Uma epopeia silente
em dois continentes
que nem se acredita.
Hoje do rio tão profundo
o herói de dois mundos
em mim ressuscita...
Rodas rangendo em canhadas
abrindo picadas 
em busca de anitas.

Letra: Catulo Fernandes

Música (zamba): Gilberto Funk