Colunistas

Os candidatos

07/06/2018 - 10h:53min
Nelson Egon Geiger

Sinceramente se torna impossível prever quem, no quadro atual, possa chegar à Presidência. Os candidatos são inúmeros. Todavia, a esmagadora maioria nada mais do que simples aventureiros.

O eterno Eymael evidente que disputará de novo. Fidelis, com seu jeito e gestos, outra vez. Lula mesmo preso querendo disputar “de dentro da cadeia” não terá, certamente, a candidatura homologada. Não sei quem representará o PT, mas, evidente, não irá para final. Meireles, do meu partido não tem simpatia, nem dicção. Embora sem mácula e bom em economia, vem com apoio de um Governo desgastado.

Em suma, além dos integrantes da esquerda “esquizofrênica”, da esquerda “festiva” e dos malucos da esquerda “totalitária” todos quais, exatamente, jogam com o mau exemplo dos desastrados países que estatizaram tudo e culminaram com a “fome, a miséria e a retirada de liberdade das pessoas”, como Albânia, Coréia do Norte, Cuba e a vizinha Venezuela. Ou a China de dupla face: riqueza no estado e pobreza no povo.

Antes que alguém fale cem Ciro Gomes que quer ser herdeiro de Brizola, mas já foi Prefeito nomeado pela Ditadura Militar em Fortaleza. Era extrema direita e agora quer ser “esquerdista”. Já foi da ARENA, do PMDB, do PPS, que é o antigo PCB e agora PDT. Ainda passou por outras siglas. Quer dizer: ideologia zero. Aliás, nem o corrupto Lula acredita nele.

Sobra Geraldo Alkimin. Foi doMDB e depois do PMDB, tendo depois tomado o rumo do PSDB com Fernando Henrique. Quatro vezes Governador de São Paulo. Uma vez Prefeito daquela Capital. Ex-Prefeito de cidade do interior, Deputado Estadual e Federal e, até mesmo, ex Vereador. Sem dúvidas, com mais de meio século de atuação política; experiência parlamentar e administrativa possui o melhor currículo.

Todavia carrega o peso de companheiros do naipe de Azeredo, recentemente condenado há mais de 20 anos de prisão pelo “mensalão mineiro” e de Aécio Neves, ex-governadores de Minas Gerais. Fica difícil que Alkmin consiga, com esse peso correligionário, vencer. Entretanto, na minha visão é o melhor gestor que se apresenta para o eleitorado.

Quem poderá ir para o 2º Turno? Quais as siglas que enfraquecerão, além do PT. Quais as “siglas de aluguel” que poderão crescer? E pensem nisso: se houver mais de 50% de votos nulos, o que não pode ser descartado, face a revolva da nação. Termina em 31 de dezembro o mandato de Temer e dos Governadores. Até que saia nova eleição que não haverá tempo de 28 de outubro até lá seremos governados pelo Presidente do Supremo e pelos Presidentes dos Tribunais Estaduais.

deixe seu comentário