Colunistas

É tempo de carnaval

19/02/2020 - 08h:36min
Alvorino Osvaldt - Controle Geral

Volto de férias na semana que antecede o carnaval. A maioria com quem converso e conheço espera o carnaval não para participar da folia, o faz para ficar fora dela, para descansar, para viajar, para curtir momentos de paz. Apesar disso, aqui no Brasil, o carnaval é festa de sonhos e fantasias, sonhos que vão com os foliões e fantasias que estão na cabeça e no corpo, enfeitando o desejo de ser feliz. No carnaval se encontra a chance de uma conquista á muito buscada e á cada ano em cada carnaval se renovam as esperanças. Seria então um acumulo de ações em prol da alegria, uma legião de “alegretes” pulando e se divertindo numa felicidade sem fim. Volto no dia em que o Clic comemora seis anos de sucesso embalado pelo talento do Eduardo, da Renata, do Elias, da Sabrina e tantos outros que se doam no dia a dia para fazer deste canal o sucesso que se tornou. Volto com a formatura da Renata que ao concluir o seu curso de Jornalismo se torna a segunda jornalista no time e com isto auxiliando a trazer o melhor conteúdo quando nosso portal de notícias atinge mais de 62.000 seguidores o que nos enche de orgulho. É a resposta ao conteúdo sério, competente e de qualidade que colocamos no ar todos os dias. É o premio a seriedade, a ética e a isenção de profissionais comprometidos com a verdade! Parabéns ao Eduardo pelo grande sucesso do teu projeto que também é um sonho pessoal. Obrigado a todos e aproveitem a folia que com certeza será contada em minucias em nossos espaços!

 

Na viagem...

Percebi que não é só aqui que existem as liquidações e o fraco movimento nas lojas da cidade. Mesmo em locais turísticos do Estado e em Santa Catarina, a queixa da baixa nas vendas é recorrente. Uns culpam a falta dos Argentinos no país, que vierem, mas em número muito menor do que nos anos anteriores. Outros falam da crise econômica e da falta de emprego que deixa as pessoas sem recursos para investir em lazer. Muitas lojas de portas cerradas, não é privilégio só nosso. Nas zonas turísticas elas existem e mostram que as dificuldades estão por todo o lado. Sobre as estradas, vemos que em nosso estado elas estão em piores condições que as do estado de Santa Catarina. A saída é o pedágio, pois vemos que naquelas rodovias a qualidade de manutenção é muito superior as que não usufruem deste tributo cobrado pelo direito de passagem por uma via de transporte terrestre.  Apesar dos impostos caros, concluímos que é preciso pedagiar para receber uma prestação de serviço com melhor qualidade!   

 

Prá você pensar:

“A maioria dos brasileiros não gosta de carnaval, mas a minoria que gosta faz um barulho imenso”. (Augusto Branco)

Camaquã (RS), 17 de fevereiro de 2020.  

Alvorino Osvaldt

 

deixe seu comentário