Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • Banner-Camaqua_CC 970×90
  • 970×90 (3)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • clarão—970×90
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • globalway (1)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)

Caso Eliseu: três réus vão a júri a partir desta segunda-feira (12)

Sessão ocorre no plenário de grandes júris, no 2° andar do Foro Central de Porto Alegre


Por Redação Clic Camaquã Publicado 12/12/2022
Ouvir: 00:00
Foto: Divulgação

Três réus começam a ser julgados nesta segunda-feira (12), no caso Eliseu Santos. Marco Antônio de Souza Bernardes (ex-Assessor Jurídico da Secretaria Municipal da Saúde), Cássio Medeiros de Abreu (enteado de Marco Antônio) e José Carlos Elmer Brack (ex-presidente do PTB em Porto Alegre).

O julgamento iniciou às 9h30min, no plenário de grandes júris, no 2° andar do Foro Central prédio I, em Porto Alegre. O júri será presidido pelo Juiz de Direito Thomas Vinícius Schons, do 1º Juizado da 1ª Vara do Júri da Capital. A previsão é que o julgamento tenha dois dias de duração.

A previsão é que a sessão se estenda por dois dias de duração no Plenário.

Acompanhe a transmissão ao vivo pelo canal do TJRS no Youtube (https://www.youtube.com/c/tjrsnoticias) ou pelo Twitter Ao Vivo, do TJRS (https://twitter.com/tjrsaovivo)

Caso Eliseu

O crime ocorreu na noite de 26 de fevereiro de 2010, na rua Hoffmann, no bairro Floresta, em Porto Alegre. O então secretário municipal da Saúde, Eliseu Santos foi atingido em via pública por dois disparos fatais de arma de fogo. Na ocasião, ele estava na companhia da mulher e da filha.

O homicídio teria sido motivado por vingança, decorrente da denúncia de um suposto esquema de corrupção envolvendo uma empresa responsável pela vigilância dos postos de saúde da Capital, de propriedade de um ex-policial militar, e pelo encerramento do contrato da terceirizada.

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), dois réus haviam sido condenados a 27 anos e 10 meses de reclusão e a um ano de detenção, em 21 de maio de 2016. Um outro foi sentenciado a 32 anos, um mês e 15 dias de reclusão e mais um ano e quatro meses de detenção, no dia 22 de setembro deste ano.


  • globalway (1)
  • Banner-Camaqua_CC 970×90
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • clarão—970×90
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • 970×90 (3)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)