Esporte

"Mesmo tendo resultados extraordinários, seguimos no anonimato", conta atleta

Ultramaratonista Cléberton Souza, de 42 anos, falou sobre sua trajetória durante o programa A Hora e a Vez do Esporte
Por: Elias Bielaski | Publicado: 17/05/2021 às 15:08 | Alterado: 24/05/2021 às 20:52
Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação
Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

O programa A Hora e a Vez do Esporte desta segunda-feira, 17 de maio, iniciou a semana com uma dose extra de motivação. O convidado do dia foi Cleberton Souza, de 42 anos, professor durante o dia e ultramaratonista nas horas vagas.

Receba as notícias do Clic no WhatsApp.

Em 490 a.C., o soldado grego Fidípides correu 42 km da cidade de Maratona até Atenas para anunciar a vitória dos gregos contra os persas, morrendo de exaustão logo após dar a notícia. É o que a diz a lenda que inspirou a realização da modalidade esportiva que conhecemos hoje como maratona, em que os corredores percorrem uma distância de 42.195 km, sendo a primeira delas realizada em 1896 em homenagem ao soldado.

Foi em Atenas que tudo começou, e também onde o ultramaratonista Cleberton Souza ergueu sua taça pela primeira vez após ter conquistado o terceiro lugar no 15º Festival Internacional de Ultramaratona, que durou 55 dias, 1 hora, 43 minutos e 16 segundos de corrida. 

Ao todo, foram 5 mil km percorridos. Cleberton era o único das Américas participando da competição, e ele contou um pouco mais sobre sua trajetória no programa apresentado por Celiomar Garcia, na ClicRádio.

Saiba como sugerir uma reportagem para o Clic.

Na entrevista, ele trouxe detalhes sobre sua trajetória e mesmo após tamanha distância percorrida, ele ainda se considera um atleta "amador de elite". Ele também falou sobre a falta de reconhecimento ao atletismo e às conquistas de ultramaratonistas brasileiros:

"Mesmo tendo resultados extraordinários, seguimos no anonimato"

Inscreva-se no canal do Clic no YouTube.

Acompanhe a entrevista completa:

Inscreva-se no canal do Clic no YouTube.

deixe seu comentário