Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • clarão—970×90
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • globalway (1)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • 970×90 (3)
  • Banner-Camaqua_CC 970×90
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • BANNER UNICRED 2

Idoso morre por leptospirose em Pelotas

Mais uma vítima de leptospirose em função das enchentes é registrada no Rio Grande do Sul


Por Pablo Bierhals Publicado 18/06/2024
Ouvir: 00:00
leptospirose nas enchentes
Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

O primeiro óbito por leptospirose em função das enchentes de maio foi registrado em Pelotas, nesta segunda-feira (17). Trata-se de um idoso de 75 anos, morador das Três Vendas, zona Norte da cidade, que faleceu na última quinta-feira (13). A confirmação do resultado nesta segunda, após análise de amostra realizada pelo Laboratório Central do Estado (Lacen). Atualmente, Pelotas conta com 31 notificações suspeitas da doença, quatro casos confirmados e nenhum paciente hospitalizado.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a confirmação do caso se deu pela exposição da vítima a áreas alagadiças e ao risco ambiental, representado, neste caso, pela presença de animais de produção que atuam como reservatórios da bactéria propícios à manutenção da leptospirose.

A Vigilância em Saúde alerta para os riscos amplificados da doença em função das chuvas, visto que a bactéria, presente na urina de roedores, comumente espalha-se por águas sujas, como o caso das enchentes, além de poças de lama e esgoto. 

A doença, de alta incidência no contexto de enchente, também pode ser transmitida pela urina de animais infectados como cães, bovinos, equinos, suínos entre outros. A população deve ficar atenta para o surgimento de sintomas como febre, mialgias (dores musculares), dor na panturrilha, náuseas, vômitos, diarreia e sintomas mais característicos, como hemorragia conjuntival e fotofobia. 

O Município orienta que na presença destes sintomas a população deve procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima a fim de dar início ao tratamento com antibiótico disponível no SUS e orientado após a realização de exame para confirmação do diagnóstico.

Rio Grande do Sul

No total, ao menos 20 pessoas já morreram por leptospirose no estado desde as enchentes de maio. As mortes foram registradas em: Porto Alegre (2), Novo Hamburgo (2), Alecrim (1), Charqueadas (1), Rio Grande (1), Pelotas (1), Venâncio Aires (1), Três Coroas (1), Travesseiro (1), Sapucaia do Sul (1), São Leopoldo (1), Igrejinha (1), Guaíba (1), Encantado (1), Canoas (1), Cachoeirinha (1), Alvorada (1) e Viamão (1).

Medidas importantes de prevenção

  • Evitar contato com água contaminada
  • Cobrir cortes e arranhões com bandagens à prova d’água
  • Não andar descalço
  • Utilizar luvas e botas de borracha para limpeza de locais inundados
  • Realizar a limpeza de ambientes inundados com água sanitária

  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • 970×90 (3)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • clarão—970×90
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • globalway (1)
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Banner-Camaqua_CC 970×90
  • BANNER UNICRED 2
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111