Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • WhatsApp Image 2024-03-01 at 09.20.19
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • Banner-Camaqua_CC 970×90 (5)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • banner felice 2
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • globalway (1)
  • _26345 banner topo 970×90 px (PNG)
  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)

Rio Grande (História, Geografia, Música e Poesia)


Por Redação Clic Camaquã Publicado 14/05/2024
 Tempo de leitura estimado: 00:00
Design sem nome – 2024-05-14T091029.944
Foto: divulgação

Leia a coluna de Catullo Fernandes (Arte, Cultura e História), escritor, poeta e pesquisador.

Neste final de semana chuvoso resolvi produzir um trabalho diferente mesclando várias das vertentes culturais as quais me dedico. E como sou movido à música decidi que o caminho das águas seria por aí, reunindo clássicos do cancioneiro gaúcho, que se encaixam neste momento tenso e de reflexão. Ficou um pouco extenso é verdade, mas difícil entre tantas maravilhas musicais fazer um resumo. No final coloquei o link das canções selecionadas. Espero que curtam! Foto: Vista área parcial das ilhas do Camaquã.

RIO GRANDE (História, Geografia, Música e Poesia)

NÃO… a enchente não está ocorrendo porque Barbosa Lessa escreveu “Balseiros do rio Uruguai”, e provocou: “Viva veio a enchente”, e na hora de cantar mudaram a palavra Viva para Oba.

“Oba, viva veio a enchente

O Uruguai transbordou

Vai dar serviço p’ra gente
Vou soltar minha balsa no rio
Vou rever maravilhas

Que ninguém descobriu.”

NÃO… a enchente não é porque a Elis Regina interpretou com Tom Jobim “Águas de março”, e as águas chegaram atrasadas em maio, e se vingaram cantarolando:

“É o pau, é a pedra, é o fim do caminho

É um resto de toco, é um pouco sozinho

É um caco de vidro, é a vida, é o sol

É a noite, é a morte, é um laço, é o anzol.

São as águas de março fechando o verão

É a promessa de vida no teu coração”

NÃO… a enchente não é motivada pela rivalidade Gre-Nal, quando nos anos 60, os tricolores brincavam que o Beira-Rio era uma bóia cativa, que poderia alagar, e por ironia do destino a Arena também foi construída num lugar de alagamentos.

NÃO… a enchente não é um castigo divino porque muitos brasileiros de outros estados que, pelo seu jeito bonachão e autêntico, consideram o gaúcho arrogante.

NÃO… a enchente não é uma má previsão do Mauro Moraes, na voz do José Claudio Machado, em “Milonga abaixo de mau tempo”:

“Agarre amigo o laço

Enquanto o boi tá vivo

A ENCHENTE anda danada,

Molestando o pasto

Ao passo que descampa a pampa dos mil réis”

E definitivamente a enchente NÃO é uma “Previsão” impiedosa composta pelo Adair de Freitas:

“O tempo se armou de fato

Lá pra o lado do Uruguai

Vai chover barbaridade

E sem poncho ninguém sai.”

A Capitânia de São Pedro do Rio Grande do Sul foi criada em 1807, e em 1821 é elevada a condição de Província, e mais tarde após a Proclamação da República, tornou-se o Estado do Rio Grande do Sul. O nome originou-se de uma série de discordâncias cartográficas, quando se acreditava que a Lagoa dos Patos fosse a foz do RIO GRANDE, registrada por Frederick de Wit, em seu atlas de 1670.

O RIO GRANDE como o próprio nome diz é um rio grande. Assim como nós seres humanos, que temos entre 60 e 70% de água no corpo, ele também é feito de águas. São 3 bacias hidrográficas e cerca de 90 rios, sem contar a maior laguna da América do Sul, a Lagoa dos Patos. Daí a origem do nome RIO GRANDE tanto da cidade quanto do Estado. Um dia toda esta água tinha que buscar o seu leito.

A ENCHENTE é o resultado do descaso com a natureza, do desequilíbrio ambiental e da ganância dos homens, que acabaram por mudar o curso do RIO GRANDE. Agora como dizia Nico Fagundes cabe a cada gaúcho de todas as querências tomar tenência, e fazer uma prece com o Paulinho Pires, no ritmo de seu serrote:

“Não deixem morrer meu rio

Me ajudem por favor!

O biguá que mergulhava, já morreu

Água pé não dá mais flor.”

Aqui nestas bandas das ilhas do Camaquã a súplica também ganha força na voz do cantador Helmo de Freitas, em “Meu rio”:

“Ao longe se vê o clarão
Do fogo queimando o mato
Tarumã, cedro e angico
Em carvão, taco e cavaco

Os redemoinhos dançando
Nesta água eu quero ver
Não me matem este rio
Ao menos enquanto eu viver…

“Rio… Rio… Rio que mergulhou minhas lembranças

Riooooooooooooo… da minha infância!”

…E na pura poesia de “Arroio Lindo”, composta por Otacílio Meirelles, na interpretação impecável de Airton Madeira, ambos remanescentes do Grupo Os Tapes:

Arroio lindo…

Vai cantando tuas mágoas

Na estação das enchentes

Soluçando as corredeiras

Vem arrastando madeiras

Alagando os teus banhados

Gemendo em fúria brava

Derruba arranca e arrasa

Nos campos de teus costados.”

Mas apesar dos pesares, como diz o gaúcho, ainda há uma segunda chance. Que tudo isso nos sirva de lição. A gauchada assim como as extintas tribos indígenas arachanes chamadas de patos, está botando o peito n’água, e vão levantar a cabeça como gritou cantando Leopoldo Rassier:

“Não podemo se entregá pros home

Mas de jeito nenhum, amigo e companheiro

Não tá morto quem luta e quem peleia

Pois lutar é a marca do campeiro.”

A palavra agora é RECONSTRUÇÃO… NÓS vamos reconstruir o RIO GRANDE assim como previu e pregou Vitor Ramil em “Semeadura”:

“Nós vamos prosseguir, companheiro

Medo não há…

No rumo certo da estrada

Unidos vamos crescer e andar

Nós vamos repartir, companheiro

O campo e o mar,

O pão da vida, meu braço, meu peito

Feito pra amar…”

E logo, logo… ali na curva do rio o sol há de brilhar mais uma vez como revelou Barbosa Lessa, na canção eternizada na voz de Leopoldo Rassier, e mais recentemente numa releitura da camaquense Luana Fernandes:

“Pôr-do-sol no Guaíba

Aquarela de paz desenhada por Deus

Pôr-do-sol no Guaíba

Alegria da cor na tristeza do adeus.”

O RIO GRANDE vai voltar a cantar suas canções de águas. Nossa capital Porto Alegre e todas a cidades atingidas (441 de 497) vão ser erguidas novamente. E todas estas mágoas de agora vão virar mais um daqueles causos de outrora contados pelos antigos tropeiros e peões em volta do fogo de chão: em 1941 o tempo ficou feio no Estado, mas em 2024 foi maior ainda e tudo televisionado.

Se ainda não acreditas, confia nas lendas vivas do Sul, e segue os links das músicas. O Negrinho do Pastoreio continua acompanhando toda a sina do RIO GRANDE>

BALSEIROS DO RIO URUGUAI – de Barbosa Lessa com Noel Guarany

ÁGUAS DE MARÇO – Elis Regina e Tom Jobim

MILONGA ABAIXO DE MAU TEMPO – de Mauro Moraes com José Cláudio Machado

PREVISÃO – Adair de Freitas

SÚPLICA DO RIO – Paulinho Pires com Fátima Gimenez

MEU RIO – Helmo de Freitas

ARROIO LINDO – Otacílio Meireles, na voz de Airton Madeira, com imagens de Alex Haas

NÃO PODEMO SE ENTREGÁ PROS HOME – Leopoldo Rassier

SEMEADURA – Vitor Ramil e Carlos Moscardini

PÔR DO SOL NO GUAÍBA – de Barbosa Lessa com Luana Fernandes  


  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • globalway (1)
  • WhatsApp Image 2024-03-01 at 09.20.19
  • _26345 banner topo 970×90 px (PNG)
  • banner felice 2
  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Banner-Camaqua_CC 970×90 (5)
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111