Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • WhatsApp Image 2024-04-02 at 17.18.51
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • globalway (1)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • WhatsApp Image 2024-03-01 at 09.20.19
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • cq-01

Casos Síndrome Respiratória Aguda Grave aumentam no RS

Crianças e população acima de 65 anos apresentam maior parte das internações


Por Redação/Clic Camaquã Publicado 08/08/2023
 Tempo de leitura estimado: 00:00
Foto de divulgação

No Rio Grande do Sul, o número de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em crianças pequenas continua alto, mesmo com a tendência geral de queda ou estabilização entre a população adulta. Os dados foram divulgados no novo Boletim InfoGripe da Fiocruz da última quinta-feira (3).

O boletim destaca que 3 das 27 capitais apresentam sinal de crescimento dos casos de SRAG são elas: Belém (PA), Belo Horizonte (MG) e Vitória (ES). Crianças e população acima de 65 anos apresentam a maior parte dos casos da síndrome. Enquanto isso, Curitiba, Porto Alegre e Rio Branco, mantêm estabilidade em patamar elevado de novos casos semanais de SRAG em crianças pequenas.

Marcelo Gomes, pesquisador e coordenador do InfoGripe, explica que embora o Rio Grande do Sul não esteja apresentando aumento nos casos, ele continua com uma estabilidade alta de casos e ainda não apresentou queda de casos.  

“Então a situação de atenção ainda se mantém, especialmente por conta do vírus sincicial respiratório”, comenta.

O infectologista Werciley Júnior esclarece que os sintomas iniciais da SRAG se assemelham aos de uma gripe comum, apresentando tosse, coriza e evoluindo para febre persistente. No entanto, a doença pode se agravar, gerando dificuldades respiratórias nas crianças, que podem até necessitar do uso de oxigênio.

“Esse quadro pode ser uma evolução rápida, que é o mais comum, mas pode ser lenta, demora alguns dias pra chegar nisso. Então os sintomas têm que ser muito observados e sempre que a criança tiver persistência de febre ou sintomas que mostram dificuldade respiratória tem que ser encaminhada a uma unidade de saúde”, completa. 

De acordo com o InfoGripe, nas quatro últimas semanas epidemiológicas, a prevalência entre os casos como resultado positivo para vírus respiratórios foi de 6,7% para influenza A; 3,7% para influenza B; 32,1% para VSR; e 22,9% para Sars-CoV-2 (Covid-19). Entre as mortes, a presença destes mesmos vírus entre os positivos foi de 11,8% para influenza A; 9,8% para influenza B; 9,8% para VSR; e 43,1% para Sars-CoV-2 (Covid -19).

Fonte: Agência Brasil 61


  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • WhatsApp Image 2024-04-02 at 17.18.51
  • WhatsApp Image 2024-03-01 at 09.20.19
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • globalway (1)
  • cq-01