Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • globalway (1)
  • Banner-Camaqua_CC 970×90 (5)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664

Lideranças gaúchas defendem adiamento das eleições municipais

Como argumentos, citam que muitos locais de votação, como escolas, foram destruídos pelas chuvas e que não haverá “ambiente” para uma campanha eleitoral


Por Pablo Bierhals Publicado 17/05/2024
Ouvir: 00:00
FOTO 180×720 (13)
São Lourenço do Sul é município com estado de calamidade pública oficialmente reconhecida.

A tragédia provocada pelas chuvas no Rio Grande do Sul levou lideranças gaúchas a defenderem discussões sobre o adiamento das eleições nos 497 municípios do estado. Como argumentos, citam que muitos locais de votação, como escolas, foram destruídos pelas chuvas e que não haverá “ambiente” para uma campanha eleitoral.

De acordo com dados da Defesa Civil, atualizados às 18h de quinta-feira (16), a enchente já provocou 151 mortes. Há 104 desaparecidos, 540 mil desalojados e 77 mil pessoas em abrigos.

Um dos primeiros a defender o adiamento das eleições, que hoje são marcadas para 6 de outubro e 27 de outubro, onde houver segundo turno, foi o deputado federal e presidente estadual do Partido Liberal (PL), Giovani Cherini. Para ele, o processo eleitoral deveria ser reagendado para o primeiro semestre de 2025, depois que a população tiver condições de voltar a suas casas.

O prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB), disse que um eventual adiamento precisa ser avaliado “com muito critério” e de forma coletiva pelas instâncias devidas. Mas esse debate, deve ocorrer quando o “auge da catástrofe passar e tivermos a dimensão real do impacto nos diversos aspectos da sociedade”.

Durante a pandemia, o Congresso aprovou uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) adiando o pleito de 4 de outubro para 15 de novembro. A medida procurou evitar a proliferação do coronavírus. No mesmo ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) chegou a adiar por mais dias a votação em Macapá, mas por outro motivo: a capital estava sofrendo com apagões há dias.


  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Banner-Camaqua_CC 970×90 (5)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • globalway (1)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • TEXEIRA GÁS ultragaz