Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • globalway (1)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • cq-01
  • WhatsApp Image 2024-02-01 at 16.56.45
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • 2024 BANNER TOPO CAPA DE SITE DIA DE CAMPO DESKTOP
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)

Pequim tem maior número de horas abaixo de 0ºC em dezembro desde 1951

Capital também teve nove dias seguidos de temperaturas abaixo de -10ºC


Por Celiomar Garcia Publicado 25/12/2023
 Tempo de leitura estimado: 00:00
pequim
Foto: Agência Brasil/Divulgação

A população brasileira está tendo mais orgulho em se reconhecer mais “escurecida”. Essa é uma constatação de especialistas ouvidos pela Agência Brasil após os mais recentes resultados do Censo 2022, que revelaram que 55,5% da população se identifica como preta ou parda.

O levantamento divulgado na sexta-feira (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que os pardos são 45,3% da população e superaram a quantidade de brancos pela primeira vez desde 1872, quando foi realizado o primeiro recenseamento do país. Além disso, a proporção de pretos mais que dobrou entre 1991 e 2022, alcançando 10,2% da população.

O IBGE explica que a mudança no perfil étnico-racial do país não reflete apenas a questão demográfica, ou seja, nascimento ou morte de pessoas, mas também outros fenômenos sociais.

“Essas variações têm a ver com a percepção. Cor ou raça é uma percepção que as pessoas têm de si mesmas. Tem a ver com contexto socioeconômicos, contextos das relações interraciais”, disse o pesquisador Leonardo Athias.

Para a historiadora Wania Sant’Anna, conselheira do Centro de Estudos e Dados sobre Desigualdade Raciais (Cedra), o Brasil passa por “um momento de reconhecimento de pertencimento étnico-racial no terreno da negritude e da afrodescendência”.

Segundo ela, o resultado consolida uma trajetória que já vinha desde o recenseamento de 1991 e que “não tem volta”.

“O que comprova isso [reconhecimento com a afrodescendência] é essa mudança expressiva dos pretos, que mais que dobraram entre os anos 80 e os dias atuais”, aponta Wania, que também é presidente de governança do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e integrante da Coalizão Negra por Direitos.

A pesquisadora do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Tatiana Dias Silva converge com a explicação de que não é apenas a questão demográfica que causou o aumento de negros na população.

“Tem alguns estudos da composição de componentes demográficos para identificar se tem mais taxa de natalidade e fecundidade da comunidade negra, e não conseguem justificar demograficamente essa mudança”, explica.

Debates
Wania Sant’Anna cita dois grandes fatores que explicam, na visão dela, o reconhecimento das pessoas com a negritude. Um são os debates públicos mais abertos sobre desigualdades raciais, racismo e preconceito.

“As pessoas são discriminadas por causa da sua cor. À medida que esse debate se torna público, os sujeitos pensam ‘isso poderia ter acontecido comigo porque essa é a minha cor, esse é o meu cabelo, esse é o meu território’. Então o debate sobre racismo tem contribuído muito”, avalia.

Outro fator, aponta Wania, são as manifestações culturais populares que falam sobre racismo, como música e literatura.

“A gente não pode esquecer o impacto que o hip-hop e o funk estão produzindo na população jovem e não tão jovem também. Esse debate fala de raça, racismo e cor de pele. Isso informa as pessoas. As pessoas não estão sendo informadas apenas pela branquitude”, disse.

O efeito dessa conscientização, acredita Wania Sant’Anna, aparece quando o recenseador pergunta às pessoas com qual raça se identificam.

A integrante da Coalizão Negra por Direitos ressalta que esses debates públicos não existiam com a mesma força décadas atrás.

A capital da China, Pequim, quebrou o recorde de horas de temperaturas abaixo de zero para um mês de dezembro, estabelecido em 1951, depois que uma onda de frio varreu partes do país e trouxe nevascas.

Partes do norte e do nordeste da China experimentaram um frio recorde desde a semana passada, com algumas áreas no nordeste atingindo -40º Celsius, à medida que o ar frio cortante descia do Ártico.

Até este domingo, um observatório meteorológico em Pequim registrou mais de 300 horas de temperaturas abaixo de zero, com início em 11 de dezembro, o máximo para um mês de dezembro desde que os registros começaram em 1951, de acordo com o jornal Beijing Daily, apoiado pelo Estado.

A capital também sofreu nove dias consecutivos de temperaturas abaixo de -10°C neste período, acrescentou o Beijing Daily.

Várias cidades da província central chinesa de Henan, a sudoeste de Pequim, estão vivendo uma crise de fornecimento de aquecimento, com a oferta de energia térmica na cidade de Jiaozuo sob pressão para garantir o abastecimento.

As caldeiras de aquecimento da JiaoZuo WanFang Aluminium Manufacturing, uma dos principais fornecedoras da cidade, quebraram, deixando algumas áreas com necessidade urgente de mais abastecimento, informou a mídia estatal neste domingo.

A empresa está se esforçando para consertar o defeito e espera retomar o fornecimento em 26 de dezembro, informou a imprensa estatal, sem especificar o número de caldeiras que quebraram.
A JiaoZuo WanFang Aluminium não respondeu imediatamente a um pedido de comentário enviado por e-mail pela Reuters.

A cidade irá suspender o fornecimento de aquecimento para a maioria das empresas, exceto aos prestadores de serviços essenciais, como hospitais e centros de idosos, para priorizar o uso residencial. No entanto, alguns complexos residenciais ainda serão impactados durante o período de manutenção dos equipamentos, segundo os meios de comunicação.

Duas outras cidades de Henan – Puyang e Pingdingshan – já suspenderam a oferta de aquecimento a departamentos governamentais e instituições administrativas para priorizar o uso residencial, disseram os governos locais, citando o clima extremamente frio.

A expectativa é que uma massa de ar quente vá do norte ao sul do país, elevando as temperaturas a partir do fim de semana.

A partir das 14h deste domingo (3h no horário de Brasília), as temperaturas em muitas áreas no centro e leste da China subiram um pouco, avançando em algumas áreas mais de 10°C, disse a autoridade meteorológica do país.

Fonte: Agência Brasil


  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • 2024 BANNER TOPO CAPA DE SITE DIA DE CAMPO DESKTOP
  • WhatsApp Image 2024-02-01 at 16.56.45
  • globalway (1)
  • cq-01