Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • WhatsApp Image 2024-03-01 at 09.20.19
  • WhatsApp Image 2024-04-02 at 17.18.51
  • globalway (1)
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • cq-01
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)

Mulher é vítima de violência no Brasil a cada 4 horas

Os dados divulgados são da Rede de Observatórios da Segurança


Por Redação/Clic Camaquã Publicado 17/07/2023
 Tempo de leitura estimado: 00:00
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Segundo dados da Rede de Observatório da Segurança, em 2022, foram mais de 2.400 casos registrados, sendo quase 500 casos de feminicídios, ou seja, a cada dia uma mulher morreu apenas por ser mulher.

Nesta segunda-feira (17) e terça-feira (18), no 1º Encontro Nacional das Casas da Mulher Brasileira, estão sendo debatidas formas de salvar as vidas e de acolher mulheres. A casa presta atendimento humanizado e integrado às mulheres vítimas de violência. Os serviços oferecidos, por exemplo, são de acolhimento, apoio psicossocial, delegacia, acesso à Justiça, ao Ministério Público e a Defensoria Pública.

Cida Gonçalves, ministra das Mulheres, explicou: “Para que não tenhamos cada local com uma casa isolada, sozinha, nós precisamos ter uma linha de atendimento, uma linha da qualidade, da efetividade do resultado, enquanto uma política nacional que vai dar conta de respaldar a vida das mulheres e garantir segurança no atendimento”.

Já a ministra dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara, sobre a importância do acolhimento diferenciado, disse: “Estamos falando de mulheres indígenas, negras, de periferia, quilombolas e ribeirinhas que estão em todos os lugares onde a violência também está muito presente. Então é muito importante essa adequação, esse olhar especial para essa diversidade. Não podemos mais pensar em uma casa com atendimento de forma padronizada”.

O governo federal anunciou em março, a construção de 40 novas Casas da Mulher.

Fonte: Agência Brasil


  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • cq-01
  • globalway (1)
  • WhatsApp Image 2024-04-02 at 17.18.51
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • WhatsApp Image 2024-03-01 at 09.20.19
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664