Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • WhatsApp Image 2024-03-01 at 09.20.19
  • Banner-Camaqua_CC 970×90 (5)
  • _26345 banner topo 970×90 px (PNG)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • banner felice 2
  • globalway (1)
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494

Mercado ilegal de cigarros movimentou mais de R$ 720 milhões no Rio Grande do Sul em 2023

De cada 100 cigarros comercializados no RS, 20 são do mercado ilegal


Por Pablo Bierhals Publicado 09/04/2024
 Tempo de leitura estimado: 00:00
imagem 1280×720 – 2024-04-09T141458.257
Foto: Divulgação/Ilustrativa

O mercado ilegal de cigarros é responsável pela comercialização de 20% dos cigarros consumidos no Rio Grande do Sul. Isso significa que de cada 100 cigarros comercializados, 20 são do setor criminoso que movimentou cerca de R$ 721 milhões em solo gaúcho no último ano. O levantamento é do Fórum Nacional contra a Pirataria e Ilegalidade.

Além disso, o levantamento aponta que somente no primeiro trimestre de 2024 duas fábricas clandestinas foram fechadas no Brasil, sendo uma delas no interior de Cristal, na Região da Costa Doce, cerca de 30km de Camaquã.

Conforme o presidente do FNCP, Edson Vismona, o mercado ilegal de cigarros se tornou de alto lucro e de baixo risco, com fenômenos econômicos e criminosos com impactos na segurança da sociedade. 

O grande atrativo, segundo disse ele para GZH, é não pagar imposto. Os produtos brasileiros legais pagam impostos, no caso do cigarro, de 70%, e o contrabandeado não paga nada. A média do produto comercializado no Brasil é de R$ 7 e o contrabandeado fica na faixa de R$ 4. 

Diante disto, o FNCP estimativa perdas de R$ 198 milhões de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), além de que R$ 3,2 bilhões deixaram de ser arrecadados no Rio Grande do Sul com o mercado ilegal de cigarros nos últimos cinco anos.

A maioria do cigarro ilegal que circula no Rio Grande do Sul vem do Paraguai e fica para ser consumido em solo gaúcho, já que ele não é um local considerado “de trânsito”. Mas, segundo Vismona, também há fábricas ilegais sendo instaladas no RS devido a facilidade de produção e acesso a matéria-prima. 

Segundo ele, há organizações criminosas de fora no Brasil atuando aqui e vice-versa. Também há milícias, como no Rio de Janeiro. As informações foram ditas ao colunista Rodrigo Lopes, da GZH.

Nacionalmente, o mercado ilegal de cigarros movimenta o equivalente a R$ 10 bilhões em 2023. Ao todo, foram quase 39 bilhões de unidades de cigarros contrabandeados comercializados. 


  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • WhatsApp Image 2024-03-01 at 09.20.19
  • banner felice 2
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Banner-Camaqua_CC 970×90 (5)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • globalway (1)
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • _26345 banner topo 970×90 px (PNG)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335