Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • globalway (1)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • clarão—970×90
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Banner-Camaqua_CC 970×90 (5)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)

Comissão declara encerrada negociação do preço do tabaco

Produtores aguardam pela definição dos valores para comercializar a produção


Por Redação Clic Camaquã Publicado 15/02/2014
Ouvir: 00:00

Depois de dois encontros individuais com o setor industrial – o primeiro ocorreu em dezembro de 2013, e o segundo, no mês passado –, e das negociações promovidas durante esta semana, que mais uma vez terminaram sem sucesso, as lideranças das entidades dos produtores decidiram encerrar o processo, sem a assinatura de protocolo. Com isso, a tabela de preços mínimos deve contemplar os 6% de reajuste impostos pelas empresas. Na variedade virgínia, o quilo da classe BO1, a mais valorizada, vale R$ 9,22. No caso da variedade burley, o preço da classe B1 fica estipulado em R$ 8,11. Para a empresa JTI, que trabalha com tabela diferenciada, os valores não se aplicam.

A postura das indústrias de não rever o índice de 6%, segundo a Comissão de Negociação das Entidades, causa estranheza. Na prática, o preço médio pago ao produtor está acima dos 10% reivindicados pelas entidades, diz a nota. A afirmativa tem como base a pesquisa semanal que a Afubra realiza com os fumicultores que já venderam parte da produção. As notas fiscais mostram que as empresas estão pagando, em média, R$ 8,47 pelo quilo da variedade virgínia. No comparativo com o preço médio praticado na safra passada, apurado em R$ 7,51, o valor é 12,8% superior.

Diante do quadro, a Comissão sugere aos produtores que retenham o produto em suas propriedades e somente procedam a venda quando o orientador assegure a compra dentro das classes definidas pelo próprio fumicultor. Caso a empresa não aceite, o produtor deve procurar outro negócio que lhe proporcione melhores resultados financeiros, finaliza o artigo.


  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Banner-Camaqua_CC 970×90 (5)
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • globalway (1)
  • clarão—970×90
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • TEXEIRA GÁS ultragaz