Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Banner-Camaqua_CC 970×90 (5)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • globalway (1)

Elas por Elas: as dores e os lutos de quem atua na linha de frente do RS

O programa já está disponível na íntegra através do Spotify do Clic Camaquã, em formato de podcast


Por Kathrein Silva Publicado 23/05/2024
Ouvir: 00:00
PNG
Foto: divulgação/ Elas por Elas

O Elas por Elas, apresentado por Bianca Benemann, desta quarta-feira (22) recebeu a médica, escritora e presidente da Casa Cuidar Ana Claudia Arantes e a psicóloga paliativista e co-fundadora do Abrigo Humano Flávia Vieira para falar sobre “As dores e os lutos de quem atua na linha de frente do RS”.

“Nós não somos feitos para conviver constantemente com uma situação de desastre”, destaca a psicóloga Flávia, explicando que nomear os sentimentos é começo do cuidado. Conforme a profissional, são duas linhas de sofrimento que a pessoa que está na linha de resgate pode ser acometida: a síndrome de Burnout ou a Fadiga por Empatia.

Vieira destaca que conhecer as síndromes ajuda o profissional reconhecer que também precisa de ajuda para continuar cuidando do outro. Os profissionais da área da saúde mental estão organizados para receber os atuantes na linha de frente, conforme a psicóloga. O espaço será para os primeiros socorros psicológicos.

A presidente da Casa Cuidar, Ana Claudia Arantes, afirma que a empatia é viver o sofrimento do outro, mas sem nenhum preparo para lidar com a situação com a qual este está vivenciando. A mesma explica que o cérebro não distingue bem a realidade da imaginação e que os atuantes na linha de frente realmente “se colocam” nos estresses que os atingidos pelas enchentes estão vivendo.

Para solicitar ajuda clique aqui.

Confira o programa completo pelo Spotify.

Confira o programa completo pelo Youtube:


  • Design sem nome – 2024-02-06T170807.664
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • globalway (1)
  • TEXEIRA GÁS ultragaz
  • Banner-Camaqua_CC 970×90 (5)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494