Últimas Notícias

“100% sem agrotóxico. Não precisa lavar, colhemos e pode ir direto para o consumo”, destaca produtora de morangos

O terceiro episódio da série “A União que move nosso País”, em homenagem ao Dia do Colono e Motorista, conta com a história do “Morangos da Rosa”
Por: Renata Ulguim | Publicado: 25/07/2021 às 08:53 | Alterado: 01/08/2021 às 20:47
“Morangos da Rosa” fica na localidade de Alto Alegre, no interior do município de Cristal/F: Igor G
“Morangos da Rosa” fica na localidade de Alto Alegre, no interior do município de Cristal/F: Igor G

Neste domingo, dia 25 de julho, é comemorado o Dia do Colono e do Motorista, dois setores fundamentais para o desenvolvimento do país. E para demonstrar a importância destes profissionais, o Clic Camaquã realizou uma série de reportagens especiais “A união que move o nosso país”. A série vai contar histórias que você precisa conhecer. A terceira delas é do “Morangos da Rosa”, onde a família decide parar de plantar fumo e começar do zero, com a produção de morangos. 

PATROCÍCIO:  CFC CAMAQUENSE, PRIORIDADE 10, FORTRAL NEW HOLLAND E AFUBRA. 

Uma família que decide mudar totalmente a realidade da família. Essa foi a iniciativa da Mulher, mãe, esposa e agricultora, essa é a dona Rosa da Silva, uma mulher inspiradora que parou de plantar fumo e começou do zero com uma agroindústria de produção de morangos. 

“Morangos da Rosa” fica na localidade de Alto Alegre, no interior do município de Cristal. O projeto da família foi colocado em prática no início de 2019 e já em 2020 foi criada a agroindústria. Atualmente, além da venda direto de morangos, há também a produção de geleias e doces. Acontece a produção de doce de morango, que é a fruta inteira com pouco açúcar. Além das geleias de morango com pimenta, abacaxi com pimenta e de uva. 

Dona Rosa da Silva tem um braço direito e esquerdo, essencial para o auxílio de todo o trabalho desenvolvido na localidade, que é sua filha Stefani da Silva. Também residem na propriedade, o marido e o filho que aos domingos, ajuda na produção.


 “A gente plantou o fumo durante 34 anos, que era a opção que tinha nas cidades pequenas. Quando a gente descobriu a produção de morangos, que não é safra igual o fumo, ela é o ano inteirinho. Mais qualidade de vida e mais saúde, pois tu não lida com veneno, tu não pega rigor e tu tem uma manutenção de renda o ano inteirinho. É outra qualidade de vida. Sem contar que é prazeroso”, explicou.


A mudança na vida da dona Rosa foi muito grande, principalmente na qualidade de vida que ela e a família começaram a ter, desde que saíram do fumo. Mas para mudar e começar do zero, ela precisou se profissionalizar e entender como que funciona a realidade da produção de morangos. “A gente já lidava com planta, então tem algumas coisas que não mudam muito. Mas a gente fez cursos e hoje facilita muito, com os cursos online e fizemos curso presencial em Porto Alegre, para entender bem o que estamos fazendo”, disse. 

O caminho é longo e a coragem em mudar totalmente, foi maior ainda. A produtora destacou que todo o negócio, quando ele não é conhecido, ele dá um medinho. Em um ano, a família resolveu montar a agroindústria e ela afirma que “seguindo a mesma linha de morangos, que nós produzimos sem agrotóxicos, o saldo é muito positivo e se eu tiver que aumentar eu vou aumentar com certeza”, disse. 

Facebook: https://www.facebook.com/morangosdarosa
Instagram: https://www.instagram.com/morangos_da_rosa/


“Morangos da Rosa” tem dois anos e já é um grande sucesso, não somente no interior de Cristal, mas também na região. O local produz diferentes tipos de morangos, como o “Sanandreas” que é um morango que tem bastante cheiro, mas não é doce. Tem também o morango “Alga” que é graúdo e saboroso.

Os morangos são todos produzidos sem agrotóxicos e o local é todo pensado para que a qualidade seja sempre a mesma, de muita excelência. “100% sem agrotóxico. Não precisa lavar, colhemos e pode ir direto para o consumo”, afirmou. 

Stefani, além de filha, é uma grande parceria de produção dona Rosa. “Para mim é muito gratificante, pois além de eu estar do lado da minha mãe, tu pega todos aqueles ensinamentos que aí fora tu não pegaria. É uma coisa que eu gosto muito de fazer”, salientou. 

 “A gente não tinha começado antes, porque todo agricultor tem aquele medo. Mas hoje eu vou dizer para qualquer um que estiver me ouvindo: Não tenha medo, a gente tem que dar um passo para frente. Vale a pena investir em outras culturas e invistam sem medo, porque dá certo. Eu estou muito contente com esse passo que eu dei e se eu puder incentivar mais pessoas a fazer o que eu estou fazendo, eu incentivarei”, destacou. 


Conheça outras histórias da série “A união que move o nosso país”:

A casa das 4 mulheres
Santiago, o motorista mais experiente da região

Assista a reportagem completa:

deixe seu comentário