Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Banner-Camaqua_CC 970×90
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • globalway (1)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • clarão—970×90
  • 970×90 (3)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335

Homem que diz ser dono do cavalo Caramelo não consegue comprovar propriedade

Ele tentou resgatar o animal que está sob cuidados do Hospital Veterinário da Universidade Luterana do Brasil, em Canoas


Por Pablo Bierhals Publicado 13/06/2024
Ouvir: 00:00
FOTO 180×720 (95)
Foto: Reprodução/Record TV

O comerciante Sérgio Padilha, de Canoas, Região Metropolitana, diz ser dono do cavalo Caramelo, que passou quatro dias em um telhado durante as enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul no mês de maio, tornando-se símbolo de resistência para gaúchos em meio a catástrofe climática.

Ele tentou resgatar o animal que está sob cuidados do Hospital Veterinário da Ulbra, uma ampla faculdade privada de Canoas. Padilha afirma ter fornecido informações específicas sobre o animal quando esteve no no local, onde tirou fotos com Caramelo. Mas ainda não foi possível a liberação. Durante entrevista, o suposto proprietário confirmou não ter um documento mencionando ser o dono de Caramelo, porém afirmou providenciará, junto ao antigo proprietário, recibo e outras provas, inclusive testemunhais, para obter a liberação do cavalo.

Segundo Padilha, foi ele quem colocou o cavalo em ponto alto depois que sua chácara foi inundada. “Comprei ele e acabou ficando para as crianças montarem, porque ele é bem manso. Nem daria pra vender ele, pois tentei por R$ 2 mil e ninguém quis”, afirmou o comerciante em entrevista à Rádio Gaúcha.

Seu desejo é vender Caramelo em um leilão beneficente para ajudar a vila onde vive, no bairro Mathias Velho, além de conseguir recuperar parte do prejuízo que teve com a inundação.

Conforme divulgado pela GZH, a Assessoria de Comunicação do Hospital Veterinário da Ulbra informou que todos os animais acolhidos e com necessidade de cuidados no período das cheias serão devolvidos aos seus verdadeiros donos, desde que já tenham alta médica e seja comprovada a propriedade do animal.

Leia a nota:

Desde que chegou ao Hospital Veterinário da Ulbra, Caramelo já ganhou, pelo menos, 30 quilos. A estimativa inicial era de que o animal estava 50 quilos a abaixo do peso. Caramelo segue sendo acompanhado pela equipe do Hospital Veterinário da Ulbra, seguindo uma dieta composta por ração e feno, além da pastagem. Nesta terça-feira (11), Caramelo passou por uma revisão odontológica. O procedimento é considerado de rotina e é essencial para identificar como os cuidados com o animal devem seguir, além de servir para encontrar eventuais problemas que atrapalhem, por exemplo, a digestão.


  • Banner-Camaqua_CC 970×90
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • 970×90 (3)
  • globalway (1)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • clarão—970×90
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)