Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • globalway (1)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Banner-Camaqua_CC 970×90
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • clarão—970×90
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • 970×90 (3)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335

Empresárias de Arambaré afirmam que a população sente-se lesada em virtude da falta de acesso aos bairros Caramuru e Cibislândia

"A gente está pedindo que o nosso direito de ir e vir seja preservado", afirma uma das empresárias que contesta a precariedade das alternativas de acesso aos bairros Caramuru e Cibislândia devido às condições das estradas


Por João Victor Fagundes Publicado 17/06/2024
Ouvir: 00:00
carladutra
Foto: Ana Ávila / Clic Camaquã

O programa Bom Dia Camaquã desta segunda-feira (17), recebeu as empresárias Carla Dutra Bouças e Luciane Loureiro, moradoras de Arambaré, que expuseram as dificuldades de acesso aos bairros Caramuru e Cibislândia durante o período em que a ponte João Goulart, principal acesso aos bairros, está interditada para veículos leves devido às obras de construção de uma nova estrutura.

Como alternativa para acessar o centro do município, os moradores destes bairros podem transitar via Estrada Mendes Ribeiro Filho ou pela “passagem molhada”, no entanto, segundo Carla, as duas passagens tornam-se intransitáveis em dias de chuva.

“A gente está se sentindo em uma ilha”, ressalta Carla, que expõe o momento de extrema dificuldade que neste momento passam os moradores dos bairros Caramuru e Cibislândia. Além disso, foi formalizada uma petição ao Ministério Público do Rio Grande do Sul, onde foi solicitado que as obras da nova ponte não iniciem-se antes que as manutenções nas estradas sejam realizadas.

Luciane afirma que espera uma resposta da Prefeitura do município. “Esperamos sermos ouvidos, os nossos apelos e direitos como contribuintes”. Também, a empresária destaca que nunca houve uma reunião com integrantes da prefeitura e a população arambarense a fim de solucionar os problemas de deslocamento na região.

Confira a entrevista completa:


  • 970×90 (3)
  • Banner-Camaqua_CC 970×90
  • globalway (1)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • clarão—970×90
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)