Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao continuar navegando, você concorda com este monitoramento. Leia mais na nossa Política de Privacidade.

  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • clarão—970×90
  • globalway (1)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • 970×90 (3)
  • Banner-Camaqua_CC 970×90
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335

Cobasi terá que fornecer casinhas e mantimentos para 500 animais abrigados por um ano

No acordo firmado pelo MPRS, a empresa se comprometeu apoiar um abrigo de animais mantido pelo município, doando 500 casinhas plásticas, potes, coleiras e ração premium durante um ano aos animais abrigados


Por João Victor Fagundes Publicado 28/06/2024
Ouvir: 00:00
c0basi
Foto: Divulgação Cobasi

O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul (MPRS), através da Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente de Porto Alegre, firmou um acordo penal com a Cobasi. Neste acordo, a empresa se comprometeu a apoiar um abrigo de animais mantido pelo Município, doando 500 casinhas plásticas, potes e coleiras. Além disso, a Cobasi doará ração premium suficiente para alimentar 500 animais domésticos do abrigo da Prefeitura durante um ano.

“Realizamos um acordo civil em resposta ao dano causado aos animais, que inclui a doação de ração e um plano de contingência para prevenir novos acidentes, com treinamento para todos os funcionários”, disse a promotora de Justiça Annelise Steigleder.

O acordo foi formalizado durante uma audiência que discutiu a questão da morte de animais em duas lojas da rede em Porto Alegre, ocorrida durante as enchentes que ocorreram entre abril e maio deste ano.

Segundo Annelise, o acordo penal foi realizado na esfera criminal. “Ainda está em andamento uma ação civil pública, conduzida pela Defensoria Pública e pelas ONGs Princípio Animal e Amepatas, na qual não houve acordo”, explicou a promotora. Nesta ação, o MPRS atua como “custus legis” (fiscal da correta aplicação da lei).


  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (7)
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (9)
  • Design sem nome – 2024-02-06T154143.111
  • Design sem nome – 2024-02-29T112346.494
  • Banner-Camaqua_CC 970×90
  • Faça uma visita na Rua General Zeca Netto, 970 – no centro de Camaquã ENTRE EM CONTATO (51) 9 9368-4947 (8)
  • globalway (1)
  • Design sem nome – 2024-02-29T143231.335
  • 970×90 (3)
  • clarão—970×90