Saúde e Bem Estar

RS começa a fazer vigilância genômica da febre amarela

A análise da dinâmica das linhagens do vírus contribui para as ações de controle e de enfrentamento da doença
Por: Elias Bielaski | Publicado: 02/12/2021 às 11:34 | Alterado: 09/12/2021 às 12:20 | Fonte: ASCOM - SES/RS
Imagem Ilustrativa. Foto: Freepik
Imagem Ilustrativa. Foto: Freepik

Amostras do vírus da febre amarela começaram a ser sequenciadas pelas equipes do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs). O sequenciamento genético permitirá à Vigilância monitorar a circulação das linhagens de vírus da febre amarela que ocorrem no Estado.

Receba as notícias do Clic pelo WhatsApp <

Será possível, por exemplo,  verificar se é o mesmo vírus que está avançando para diversos lugares ou se uma linhagem foi extinta e houve outra reintrodução.

A análise da dinâmica das linhagens do vírus contribui para as ações de controle e de enfrentamento da doença.

É o primeiro estudo próprio realizado no Rio Grande do Sul sobre a linhagem deste vírus, transmitido por mosquitos silvestres, incorporando a vigilância genômica ao programa de prevenção da febre amarela.

Até agora, a análise genética de amostras do vírus do RS era realizada pelo apenas pelo laboratório referência, a Fiocruz Paraná.

Inscreva-se no canal do Clic no YouTube <

A Universidade de Brasília (UNB) vinha realizando o sequenciamento, em amostras retiradas de macacos contaminados pelos mosquitos, através do projeto de pesquisa Febre Amarela BR, financiado pelo CNPQ e que atua em cinco regiões do Brasil, incluindo o sul.

Apesar de vulneráveis à infecção, os macacos não transmitem a doença.

O nível de contaminação deles, no entanto, indica a circulação do vírus e o risco para os humanos.

“Com o trabalho, a Secretaria da Saúde vai colaborar com informações complementares que auxiliam na modelagem da doença e que também enriquecem o conhecimento sobre o vírus”, explicou a chefe da divisão de vigilância ambiental, Aline Campos.

Baixe agora o aplicativo da ClicRádio <

“Os dados obtidos a partir do sequenciamento acrescentam informações sobre a disseminação e a manutenção do vírus da febre amarela, auxiliando no direcionamento dos esforços de controle”.

Para atuar no sequenciamento do vírus da febre amarela, os servidores da Divisão de Vigilância Ambiental (DVAS) e do Centro de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CDCT) do Cevs receberam treinamento do Pós-Doutorando da UNB, Miguel Souza.

A preparação das equipes é parte do projeto de pesquisa Febre Amarela BR, do qual a Secretaria da Saúde participa através do Cevs, ganhador de uma chamada do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.

Clique aqui e vote no Prêmio Prime 2022 <

deixe seu comentário