Últimas Notícias

Inverno 2021 começa com riscos no campo e preocupação no setor elétrico

MetSul destacou que a estação transcorrerá sem El Niño ou La Niña, mas em muitas áreas do país, o inverno não terá suas condições típicas
Por: Elias Bielaski | Publicado: 22/06/2021 às 09:19 | Alterado: 29/06/2021 às 20:39 | Fonte: MetSul Meteorologia
Foto: Imagem Ilustrativa / Divulgação
Foto: Imagem Ilustrativa / Divulgação

O inverno começou nesta segunda-feira, às 0h32, e segundo a MetSul Meteorologia, não terá a influência no Brasil de nenhum fenômeno climático de grande escala com o Oceano Pacífico em estado de neutralidade. A estação transcorrerá sem El Niño ou La Niña em 2021, mas em muitas áreas do país o inverno não terá suas condições típicas.

Quer ganhar um rancho do Krolow? Clique aqui!

”Neutralidade climática frequentemente é confundida com normalidade no clima, sem os extremos gerados por El Niño ou La Niña, mas mesmo com o Pacífico em estado neutro ocorrem extremos de um fenômeno ou outro”, observa a meteorologista Estael Sias.

O que mais preocupa no clima durante a nova estação é a perspectiva de pouca chuva nas principais bacias do Centro-Sul do Brasil e que respondem por grande parte da geração hidrelétrica do país. A tendência é de chuva abaixo da média na maioria das áreas do Sul do Brasil e da Região Sudeste, além de regiões mais ao Sul do Centro-Oeste.

Com isso, rios que são fundamentais nos submercados Sul e Sudeste de energia do sistema integrado nacional de energia tendem a receber precipitação abaixo da média histórica neste inverno. Como áreas centrais do país têm no inverno a sua estação seca, os déficits de chuva devem ser maiores principalmente em estados que têm no inverno um dos seus períodos mais chuvosos do ano, como o Rio Grande do Sul e parte de Santa Catarina.

Quer ganhar uma pizza? Clique aqui!

Por outro lado, áreas que no inverno do Hemisfério Sul costumam ter redução de chuva podem ter mais precipitação do que o habitual neste ano. São os casos da Região Norte e pontos do Centro-Oeste, particularmente mais ao Norte da região.

Um padrão de tempo mais instável na região amazônica e em áreas mais ao Norte do Centro-Oeste, em tese, poderia levar a um quadro menos grave de queimadas que os anos críticos de 2019 e 2020. Parte da estação, porém, será muito seca e com o déficit de chuva dos últimos meses o risco de fogo estará alto a crítico. 

Já quanto à temperatura, a tendência é de um inverno mais quente do que o normal na maior parte do território brasileiro.

Baixe agora o aplicativo da ClicRádio.

“Chama a atenção nas projeções de mais uma de uma dezena de modelos de clima de diversos centros mundiais o indicativo de temperatura acima a muito acima da média no inverno deste ano no Brasil Central”, explica Estael Sias. “Estados como Mato Grosso, Goiás, Tocantins e o Distrito Federal podem terminar a estação com temperatura acima a muito acima do normal”, detalha a meteorologista da MetSul.

O Sul, como esperado, será a região mais fria do país e que pode ter temperatura perto ou abaixo da média histórica em diversas áreas, sobretudo do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. O Sul do Brasil não terá um inverno rigoroso, definido por frio intenso e constante, e os episódios de frio mais forte a extremo tendem a ser pontuais.

”As condições estão postas para alguns eventos de frio de grande intensidade na estação, mas de forma episódica, mas que trarão frio intenso a extremo para o Sul do Brasil com acentuado resfriamento também em partes do Sudeste e do Centro-Oeste, chegando até o Norte do Brasil pelo fenômeno da friagem”, enfatiza Estael Sias.

Inscreva-se no canal do Clic no YouTube.

Com a tendência de o Oceano Pacífico se resfriar no segundo semestre, o que pode levar a um novo evento de La Niña mais tarde neste ano, episódios de frio tardio com geada são um risco em 2021 no final do inverno e no começo da primavera no Sul do país com impactos para a agricultura.

deixe seu comentário