Polícia

Brigada Militar recolhe moto de leilão no Centro de Camaquã

Guarnição recolheu moto de leilão na rua Júlio de Castilhos no final da tarde desta quinta
Por: Elias Bielaski | Publicado: 14/05/2021 às 09:44 | Alterado: 21/05/2021 às 23:45 | Fonte: Colaboração de Renata Ulguim
Foto: Renata Ulguim / Clic Camaquã
Foto: Renata Ulguim / Clic Camaquã

No final da tarde desta quinta-feira, 13 de maio, a reportagem do Clic Camaquã acompanhou com exclusividade a apreensão de uma motocicleta de leilão no Centro de Camaquã. A apreensão ocorreu por volta das 18h na rua Júlio de Castilhos, próximo ao cruzamento com a rua Marechal Floriano.

Receba as notícias do Clic no WhatsApp.

A guarnição da Brigada Militar recebeu denúncia de uma moto de leilão e ao efetuar a abordagem, constatou problemas na documentação do veículo.

O guincho foi acionado e a motocicleta foi apreendida. Através do WhatsApp (51) 99200-4902, internautas acionaram a reportagem do Clic, que esteve no local e constatou que o proprietário do veículo discutia com os agentes da Brigada Militar, contrário à ação.

Orientação da Brigada Militar

Comprar uma motocicleta usada, por si só, exige atenção redobrada. É preciso estar atento quanto às condições gerais do veículo, como pendências, multas, quilometragens, procedência, sinais identificadores, entre outros aspectos importantes.

Quando o assunto é moto de leilão, esse nível de atenção deverá ser ainda maior.

Saiba como sugerir uma reportagem para o Clic.

Ocorre que, conforme o Código de Trânsito Nacional, o veículo apreendido ou removido a qualquer título e não reclamado por seu proprietário dentro do prazo de sessenta dias, contado da data de recolhimento, será avaliado e levado a leilão.

A motocicleta que vai a leilão, assim, será classificada em uma das seguintes categorias:

I - conservada, quando apresenta condições de segurança para trafegar; e

II - sucata, quando não está apta a trafegar.

Inscreva-se no canal do Clic no YouTube.

ATENÇÃO: O CTN dispõe que É VEDADO O RETORNO DO VEÍCULO LEIOLADO COMO SUCATA À CIRCULAÇÃO. Em outras palavras, uma motocicleta leiloada como sucata recebe a baixa do Detran e NÃO poderá trafegar mais pelas ruas.

Em diversos casos, aliás, motociclistas circulam com placas frias para evitar fiscalização, conduta que pode vir a configurar infração penal.

Consequências de conduzir motocicleta de leilão em via pública, bem como adulterar sinais identificadores de veículo:

1) A motocicleta será apreendida e o valor pago pelo condutor para adquirir o bem não será restituído;

2) O condutor ainda poderá responder criminalmente por qualquer adulteração de sinal identificador de veículo baixado. Aqui, o exemplo mais comum é reduzir o veículo com placa fria. Essa ação pode configurar crime, já que a motocicleta de leilão NÃO possui placa e o número do seu chassí é raspado ou perfurado ou cortado.

Receba as notícias do Clic no WhatsApp.

Em suma, uma vez efetuada a baixa, sob nenhuma hipótese o veículo poderá voltar a circulação, sob pena de apreensão do bem, além da possibilidade de o condutor ser responsabilizado criminalmente.

deixe seu comentário