Obras e Infraestrutura

Prorrogação de contrato da Ecosul é inadmissível, defende deputado

Audiência debateu prorrogação da concessão da Ecosul entre Camaquã e Jaguarão
Por: Elias Bielaski | Publicado: 11/05/2021 às 14:33 | Alterado: 18/05/2021 às 23:29 | Fonte: Assessoria - Pedro Pereira
Foto: Assessoria / Deputado Pedro Pereira
Foto: Assessoria / Deputado Pedro Pereira

Através do deputado Pedro Pereira (PSDB), ocorreu nessa segunda-feira (10), uma Audiência Pública para tratar da concessão da BR-116, entre Camaquã e Jaguarão e a BR-392, entre Rio Grande e Santana da Boa Vista.

Receba as notícias do Clic no WhatsApp.

A Empresa Concessionária de Rodovias do Sul (Ecosul) que atualmente é a responsável pelos 457,3 quilômetros de estradas da Região Sul está trabalhando para prorrogar o contrato com o Governo Federal.

A Audiência Pública Virtual entre as comissões de Assuntos Municipais e de Economia, Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, teve mais de 50 participantes.

"Sou contra a prorrogação do contrato, é inadmissível. A Ecosul tem cinco praças de pedágio. O preço para automóveis é de R$ 12,30. Um valor alto, o mais caro do Brasil. A concessionária, antes de querer prorrogar o contrato, tem que reduzir esse valor exorbitante, no mínimo 50%", declarou Pedro Pereira.

Inscreva-se no canal do Clic no YouTube.

O parlamentar solicitou alguns encaminhamentos: a redução das tarifas do pedágio; a duplicação da BR-392; iluminação e construção de trevos de acessos na BR-392 para Canguçu (subestação CEEE) e para Piratini (entroncamento da ERS-265) e se a legislação atual permite a prorrogação do contrato entre a Ecosul e o Governo Federal.

"Primeiro temos que saber se juridicamente é permitido prorrogar este contrato. Não podemos permitir que a Ecosul continue cobrando dos motoristas valores abusivos. Vamos exigir que a empresa invista em obras. A rodovia é a mais utilizada para o escoamento da produção agrícola do Rio Grande do Sul", afirmou Pedro Pereira.

Saiba como sugerir uma reportagem para o Clic.

deixe seu comentário