Esporte

"Um ano esportivo perdido na vida de uma criança é muita coisa", lamenta professor

Tiago Serafim e Maurício Ritter falaram sobre a expectativa do retorno das escolinhas e do trabalho de base no futsal
Por: Elias Bielaski | Publicado: 11/05/2021 às 11:06 | Alterado: 18/05/2021 às 19:00
Foto: Maurício Ritter / Arquivo Pessoal
Foto: Maurício Ritter / Arquivo Pessoal
Foto: Maurício Ritter / Arquivo Pessoal
Foto: Maurício Ritter / Arquivo Pessoal
Foto: Maurício Ritter / Arquivo Pessoal
Foto: Maurício Ritter / Arquivo Pessoal

Nesta segunda-feira, 10 de maio, o programa A Hora e a Vez do Esporte recebeu Tiago Serafim e Maurício Ritter, educadores responsáveis pela Escolinha do Colégio Contemporâneo. A escola de formação de atletas trabalha com diversas idades e foi o assunto do programa apresentado por Celiomar Garcia.

No estúdio da ClicRádio, os professores falaram sobre a expectativa de retorno das escolinhas e do trabalho de base, tanto no futsal quanto nos demais esportes.

Receba as notícias do Clic no WhatsApp.

Tiago lamentou o efeito da pandemia no mundo dos esportes e principalmente na formação de atletas:

"Um ano perdido na vida de uma criança é muita coisa", destacou Tiago

Pode ser uma imagem de 11 pessoas e pessoas sorrindo

Inscreva-se no canal do Clic no YouTube.

Ele também falou sobre a projeção para o futuro do esporte de base, ressaltando para as consequências que a pandemia deve trazer aos alunos:

"O mundo inteiro parou neste ano. Então ficou uma lacuna em cada criança, e dependendo da sua fase de desenvolvimento, [a criança] vai sofrer uma perda deste aspecto técnico no futuro. Nós ainda não temos a dimensão de quanto isto vai refletir, mas sabemos que o mundo esportivo vai ser diferente"

O educador ainda lembrou que antes da pandemia, era um cenário raro acompanhar lesões em crianças, mas que o pós-pandemia pode trazer este risco, devido ao tempo em que as mesmas ficaram sem a prática esportiva e física.

Saiba como sugerir uma reportagem para o Clic.

O professor Maurício falou sobre o aumento de peso das crianças, paradas a quase um ano:

"A gente conversou com as mães e pais que nos procuraram, as crianças acima do peso, um ano sem treinar e sem praticar atividade, tem crianças que a gente fica um tempo sem ver e quando reencontra elas, a gente se assusta", destacou Maurício.

Acompanhe a transmissão completa a partir de 26min:

Receba as notícias do Clic no WhatsApp.

deixe seu comentário