Campo em Dia

Federação e Sindicatos pedem que fumageiras antecipem compras da safra do tabaco

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Camaquã falou sobre ofício solicitando que as empresas iniciem as compras ainda em 2020
19/10/2020 - 16h:40min - Fonte: Com informações de FETAG/RS

A FETAG-RS, através dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais espalhados pelo Rio Grande do Sul, por solicitação dos produtores rurais, tem acompanhado com atenção o desenvolvimento das lavouras de tabaco no Estado, o que tornou possível diagnosticar que algumas regiões já iniciaram a colheita. Assim, a federação encaminhou ofício solicitando que as empresas iniciem as compras ainda em 2020.

Na manhã desta segunda-feira, 19 de outubro, o programa Campo em Dia, apresentado por Igor Garcia na ClicRádio, recebeu Lindomar Bergmann, presidente da unidade do Sindicatos dos Trabalhadores Rurais e Agricultores Familiares de Camaquã. Em entrevista exclusiva, Bergmann falou sobre a solicitação feita pelo Sindicato, que espera melhores preços de compra nesta safra.

A editoria Campo em Dia tem o apoio de C&S Equipamentos Agrícolas e Energia Solar.

Confira a entrevista completa em:

O pedido leva em consideração as dificuldades que os produtores ainda estão enfrentando devido aos problemas da última safra, sendo que parte deles estão descapitalizados e sentindo os efeitos da severa estiagem que assolou o Estado no início do ano, afetando a quantidade de produção e diminuindo a rentabilidade dos produtores.

Desta forma agricultores necessitam de capital de giro para poderem se manter na atividade, realizar a manutenção da propriedade e preparar um novo plantio.

Para o presidente da FETAG-RS, Carlos Joel da Silva, “o início das compras em 2020 é muito importante, pois daria fôlego aos produtores, evitando que alguns deixem a atividade. Necessitamos do olhar atento das empresas fumageiras, parra que vejam o produtor como verdadeiro parceiro”. 

Joel também alerta para movimentação de atravessadores, identificada pela FETAG-RS, que já estão visitando as propriedades para comprar matéria prima dos produtores pagando valores inferiores aos praticados.

deixe seu comentário