Obras e Infraestrutura

“Eu não sabia, fiquei sabendo agora”, afirma secretário sobre convocação feita por Frente Parlamentar

Memorando de número 138/2020, solicita a presença do secretário Sergiomar Cardoso na Câmara de Vereadores para esclarecer temas referentes a Secretária da Infraestrutura de Camaquã
24/05/2020 - 09h:13min - Fonte: Sabrina Borges

O programa Controle Geral deste sábado (23), recebeu a participação do secretário da Infraestrutura de Camaquã, Sergiomar Cardoso. Ele falou sobre o andamento dos trabalhos da secretaria durante este período de pandemia. 

Durante a entrevista o secretário foi questionado sobre a convocação feita em nome da Frente Parlamentar de Segurança Pública e do Trânsito Seguro. O Memorando de número 138/2020, solicita a presença do secretário na Câmara de Vereadores para esclarecer temas referentes a iluminação pública, pavimentação, manutenção das vias e drenagem. 

Além dos assuntos descritos acima, o documento também solicita explicações sobre declarações que o secretário fez em uma mídia local, a respeito do trabalho dos fiscais do Poder Legislativo. O secretário afirmou não saber de nada referente a convocação. “Eu não sabia, fiquei sabendo agora”, informou.

“Quem não tem nada para esconder, não tem problema nenhum”, comentou em resposta ao comunicador Alvorino Osvaldt. Ele informou que vai estar na Câmara para tirar as dúvidas que os parlamentares tiverem. “É tranquilo, não vejo nenhum problema”, falou. “Isso é importante, se existem dúvidas, porque não ir lá”, complementou.

Iluminação pública

A respeito da iluminação pública no município, Sergiomar comentou que o serviço não é melhor executado devido aos constantes desvios de trabalho das equipes. Ele informou que os trabalhos de manutenção são interrompidos para atender a outras demandas, como por exemplo, pendurar guirlandas em época de Natal, enfeitar a Praça, ou auxiliar na implantação da usina de asfalto. 

De acordo com o secretário, mesmo que não houvessem desvios nos trabalhos, a execução não seria cem por cento, devido a qualidade do material que a Prefeitura fornece. “A Prefeitura não compra qualidade, compra preço”, afirmou. “O cara entra lá, um “chingling” desses aí vem e vende para a Prefeitura”, falou. “Aí tu coloca no poste e dura dois, três meses. Depois tu volta no mesmo poste para trocar a mesma lâmpada”, divulgou.  

“Como dar vencimento?”, questionou se referindo a demanda de trabalhos da secretaria. “E precisamos atender o Bonito, a Santa Auta, o Núcleo Dois do Banhado do Colégio, a Vila do Fáia, Pacheca, Capelinha Santo Antônio, todos com a mesma equipe”, informou. Confira mais assuntos discutidos durante a entrevista a partir da 1h37 de transmissão:

 

 

deixe seu comentário