Tecnologia

Google anuncia lançamento do Android 11 e apresenta novidades

Versão experimental do novo sistema operacional foi liberada para desenvolvedores, com melhorias para a tecnologia 5G e privacidade do usuário
20/02/2020 - 09h:20min - Fonte: Olhar Digital

O Google liberou nesta quarta-feira (19) a primeira versão publicamente acessível do Android 11. O sistema operacional ainda está em uma fase profundamente experimental e é destinado especificamente para desenvolvedores começarem a testar seus apps na nova plataforma. Mesmo assim, o sistema já permite testar algumas das novidades que estarão disponíveis para todos a partir da segunda metade de 2020.

Por enquanto, é propositalmente difícil instalar o Android 11 no seu celular. Primeiro, ele só é compatível com celulares da linha Pixel, do próprio Google, e, mais especificamente, do Pixel 2 em diante. Além disso, não há atualização over-the-air, o que significa que é necessário baixar a ROM no site oficial, realizar o flash do smartphone e instalá-la no aparelho. A expectativa do Google é de que haja três versões prévias para desenvolvedores e três versões beta antes do lançamento final. 

Mas o que há de novo, afinal de contas? É importante notar que, por estar em desenvolvimento, alguns dos recursos mencionados a seguir podem mudar de cara, podem ser descartados e, além disso, outras funções que ainda não estão presentes podem surgir até o lançamento final. O site especializado Olhar Digital listou os principais destaques do novo sistema. Confira a seguir:

 

Permissões temporárias

Algum aplicativo já pediu permissão para sua localização para algo que seria útil, mas você não gostaria que ele continuasse tendo acesso a essa informação após o fim da tarefa? O Android 11 cuida disso para você.

Com o novo sistema, algumas permissões mais delicadas poderão ser liberadas de forma temporária. Isso inclui o acesso à sua localização, ao microfone do seu celular e à sua câmera. Quando você optar por dar uma permissão temporária, ela será revogada assim que o aplicativo for fechado. 

É algo que apareceu primeiro no iOS 13, da Apple, e foi prontamente seguido pelo Google no Android.

 

Modo escuro programável

Com o Android 10, o Google implementou o modo escuro no sistema, que ajusta as cores da interface do sistema e automaticamente configura os aplicativos compatíveis a exibirem seus modos escuros. Com o Android 11, será possível programar horários para alternar entre os temas claro e escuro.

Com isso, é possível fazer com que o Android fique claro durante o dia, quando o estrago causado pela luz emitida pelo smartphone é menor, e deixar o tema escuro à noite, quando se torna mais confortável usar o aparelho com menos emissão de luz.

 

Gravação de tela nativa

O Android finalmente terá um recurso integrado ao sistema operacional que permitirá a gravação de vídeo da tela. É uma função que já havia se tornado bastante popular nos iPhones, mas que até hoje dependia de intervenção das fabricantes de celulares para ser utilizado no sistema do Google.

Com a novidade, qualquer celular com Android 11 terá acesso à funcionalidade, independentemente de quem o produziu.

Reprodução

 

Silenciar notificações durante gravação de vídeo

Veja se você já passou por essa situação: durante a gravação de um vídeo, chega alguma notificação ao seu celular que faz o aparelho vibrar e atrapalha tudo com um barulho de “buzz, buzz”? É bem provável que sim. 

Com o Android 11, aplicativos que utilizem a câmera do celular poderão ter acesso à função de “Não perturbe” do sistema operacional, que silencia temporariamente todas as notificações. Isso deve impedir que seu celular vibre quando não deve.

 

Chega de pedir permissão toda hora

Algum aplicativo no seu celular fica pedindo permissão para alguma coisa repetidamente, mesmo que você rejeite todas as vezes que ele pergunta? O Android 11 entende que, se um usuário nega duas vezes a permissão a alguma função, é o equivalente a pressionar “Não pergunte novamente”.

O sistema também entende que, quando um aplicativo leva o usuário para a página de configurações do sistema para solicitar uma permissão, e o usuário imediatamente pressiona o botão de “voltar”, isso também conta como uma negativa. 

Se um usuário quiser, posteriormente, habilitar uma permissão, ele ainda pode entrar nas configurações do sistema para liberar o aplicativo.

 

Restrição a localização em segundo plano

O Android 11 quer diminuir o monitoramento irrestrito da localização do usuário. Além da já mencionada possibilidade de dar permissão à informação apenas uma vez, a janelinha de permissão relacionada a localização não conta com o botão para dar acesso ilimitado a esses dados. Só há três opções: dar acesso apenas uma vez, dar acesso apenas quando o app estiver aberto e negar.

Desenvolvedores que quiserem pedir a localização irrestrita dos usuários precisarão detalhar especificamente na interface de seus apps os motivos pelos quais pretendem fazer isso. Além disso, eles precisarão incluir um link no aplicativo que leve os usuários para a página de configurações de sistema, onde será possível dar uma permissão permanente. 

Para completar, aplicativos que quiserem coletar a localização dos usuários em segundo plano precisarão passar por mais uma etapa burocrática. A partir de agosto, novos apps que desejarem ter acesso a essa funcionalidade deverão solicitar aprovação para serem distribuídos no Google Play. Além disso, a partir de novembro, todos os aplicativos que pretendem coletar a localização do usuário mesmo em segundo plano que não tiverem obtido a permissão do Google serão excluídos da loja.

 

Capturas de tela roláveis

Em maio de 2019, em um momento em que ainda se falava sobre o Android 10, David Burke, vice-presidente do Google responsável pelo Android foi questionado sobre as screenshots roláveis, e afirmou que elas estavam em desenvolvimento e poderiam chegar ao Android 11. A versão liberada nesta quarta-feira traz os primeiros indícios de que o recurso está em desenvolvimento e deve ser disponibilizado na atualização.

A página XDA Developers conseguiram encontrar, escondido no código do Android 11, elementos de interface que indicam a chegada do recurso. Um botão “Estender” aparece na interface de edição de capturas, que deve permitir que o print registre também as partes do aplicativo que estão ocultas. Por enquanto, no entanto, o botão ainda não faz nada e sequer aparece nativamente no sistema.

 

Reprodução

 

Sua identidade digital

Ao longo dos últimos anos, vimos no Brasil alguns aplicativos capazes de substituir documentos oficiais, como a CNH e o título de eleitor. Agora, o Google está trabalhando para que esses documentos sejam acessíveis diretamente como padrão do sistema, sem depender de apps. A função começou a dar as caras na primeira versão do Android 11.

O recurso já era conhecido desde o ano passado, permitindo que as credenciais sejam guardadas de forma segura no celular, desde que ele tenha o hardware correto. As informações devem ser acessíveis via NFC mesmo se o aparelho estiver sem bateria, o que deve ser um alívio para quem quer sair de casa sem carteira.

A função deve começar a ser implementada nos Estados Unidos para funcionar com habilitação de motoristas e deve se estender para passaportes na sequência. A expansão para outros países dependerá do interesse dos governos, claro.

 

Um novo formato de armazenamento

O recurso, chamado de “Scoped Storage”, era previsto para ser implementado ainda no Android 10, mas a proposta causou uma reação tão grande dos desenvolvedores de aplicativos que o Google decidiu adiá-lo para o Android 11 e dar um tempo maior de adaptação.

A função é uma ferramenta importante de privacidade que determina que cada aplicativo teria uma área dedicada e fechada no armazenamento do sistema. Seu objetivo é combater o abuso de permissões do Android, fazendo com que apps possam ler apenas a parte que lhe cabe de tudo que está armazenado em disco. Na prática, significa que um app malicioso não poderia sair fuçando dados de outros aplicativos; para os apps seguros, isso significaria não precisar mais pedir permissão para realizar tarefas muito simples como, por exemplo, gravar um arquivo de áudio, uma foto ou um vídeo no dispositivo.

O problema é que, quando o Google anunciou a função, a empresa recebeu uma enxurrada de críticas de desenvolvedores que apontavam que seus aplicativos deixariam de funcionar do dia para a noite caso o recurso fosse implementado no Android 10. Com o Android 11, o recurso começará a ser forçado e os desenvolvedores terão um tempo de adaptação.    

 

Novidades do menu de compartilhar

Você costuma usar o botão de compartilhar com frequência? A partir do Android 11, essa ferramenta vai ficar um pouco mais inteligente. Agora será possível fixar aplicativos no menu de opções que aparece quando você tenta compartilhar alguma coisa entre dois apps diferentes, de forma que é possível destacar aqueles serviços que você costuma utilizar com mais frequência.

Reprodução

 

Projeto Mainline mais abrangente

Mais um daqueles recursos importantíssimos, mas que poucas pessoas notam. Com o Android 10, o Google implementou o Projeto Mainline, que, na prática, faz com que o sistema seja mais modular, facilitando a distribuição de atualizações mais importantes diretamente pelo Google Play, sem a necessidade de uma atualização total de firmware. Isso também reduz a influência da fabricante na distribuição de pacotes de segurança urgentes, fazendo com que mais pessoas sejam protegidas.

Com o Android 11, o Google expandiu o número de módulos do sistema operacional que podem ser atualizados por meio do Mainline. Inicialmente, eram apenas 8 componentes que poderiam ser modificados desta forma, mas agora esse número saltou para 20, dando ainda mais liberdade para distribuição de updates sem intervenção das fabricantes de celular.

 

Notificações em forma de bolinha

Com o Android 10, o Google deu uma nova cara para as notificações do sistema, utilizando círculos flutuantes (similar às janelas flutuantes do Facebook Messenger e outros apps), mas essa opção estava enterrada dentro das opções de desenvolvedor, às quais a maioria dos usuários não têm acesso.

No Android 11, o Google se vê pronto para disponibilizar essa nova opção para o público em geral. A novidade não será obrigatória, mas não será mais necessário entrar em uma área escondida de configurações para ativá-la.

Reprodução

 

Novidades no Pixel 4

Com o Android 11, o Google também trouxe novas funções específicas para o Pixel 4, o seu celular mais recente. A empresa implementou um novo gesto reconhecido pelo sistema de radar do smartphone, que permite pausar a reprodução de música apenas colocando a palma da mão alguns milímetros acima do display. Antes, era possível apenas avançar ou retroceder com movimentos de mão. 

Da mesma forma, o Pixel 4 ganhou um novo recurso de alta sensibilidade ao toque na tela, que tem a função de melhorar a usabilidade do celular mesmo quando o smartphone tem uma película protetora.

deixe seu comentário