Mundo Animal

Cão deixado na ARCA é adotado e tem novo lar

Cebolinha, cão que foi deixado no último domingo (19), foi adotado pelo internauta Carlos Eduardo e sua família
22/01/2020 - 09h:21min - Fonte: ARCA

Na tarde desta terça-feira (21), uma história contada com exclusividade pela reportagem do Clic Camaquã terminou com final feliz. O cão Cebolinha, que havia sido deixado na ARCA no último domingo (19), foi adotado e agora tem um novo lar.

A novidade foi trazida pela Associação Protetora aos Animais de Rua Camaquã (ARCA). O internauta Carlos Eduardo e sua família foram os responsáveis pela adoção. Segundo eles, Cebolinha terá um pátio para correr, além de muito amor e carinho.

Durante a tarde desta quarta-feira (22), um vídeo exclusivo gravado pela reportagem do Clic Camaquã será publicado no Facebook e no canal do YouTube do Clic.

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé, cão, céu, atividades ao ar livre e natureza

 

A polêmica

Durante este domingo (19), o caso foi relatado por funcionários da Associação Protetora aos Animais de Rua Camaquã (ARCA). Segundo o relato de um dos funcionários, o indivíduo chegou ao local em um Volkswagen Gol de cor branca com o cachorro Cebolinha no interior do veículo.

Após ser informado que a ARCA não poderia receber "cães ativos", o homem passou a enfrentar os funcionários, ameaçando atar o cachorro à tela de proteção do local. Logo após, uma das funcionárias resolveu abrigar o cachorro, para que o mesmo não fosse deixado sozinho em outro local.

Leia também: “O esporte é um transformador de vidas”, comenta skatista 

Ao ver que o cão seria acolhido, o homem disse que o mesmo se chamava Cebolinha e saiu sorridente do local.

"Mais um a receber processo por abandono e mais uma vida descartada por pessoas irresponsáveis e inconsequentes", disse a ARCA, através de suas redes sociais.

 

#ClicIndica: Adote!

É quase impossível encontrar uma pessoa que não goste de animais. Os bichinhos de estimação estão presentes na maioria das residências, dando carinho e fazendo companhia para as famílias que os adotam. Porém existem vários animais que são abandonados no município de Camaquã.  

Ivana de Paula, fundadora da Associação Protetora dos Animais de Rua de Camaquã (ARCA), falou sobre o problema que o abandono causa aos animais e para a comunidade de modo geral. De acordo com a voluntária, a maioria dos animais que estão abrigados na ARCA e no Canil Municipal foram em decorrência de abandono. 

Leia também: FOTOS: Caminhão carregado de madeira tomba na ERS-350, em Chuvisca

Em algumas ocasiões, cachorros e gatos de uma ninhada inteira foram abandonados juntos, em beiras de estradas ou em frente a terrenos de pouca movimentação. Os animais que são recolhidos em situação de abandono, são postos para adoção e os que pertencem a algum lugar, são tratados, castrados e devolvidos. 

Ivana comentou que quando os animais são recolhidos devido alguma denúncia de maus tratos, o dono do animal é indiciado, respondendo a um processo, sem poder adquirir nenhum animal pelo período de cinco anos. Ela explica que é muito importante que as pessoas tenham consciência na hora de adotar um bichinho.

“São bolinhas de pêlo lindas, mas uma hora crescem, arranham móveis, não cabem mais no apartamento”, comentou. De acordo com ela, existem vários critérios que precisam ser levados em conta antes de adotar, para que a ação não aconteça no impulso e gere o abandono depois.

Na ARCA e no Canil estão cerca de 600 animais abrigados. Todos eles estão disponíveis para adoção responsável. Se você tem uma casa que possua um terreno com espaço, pode disponibilizar uma alimentação adequada, possui tempo para se dedicar aos cuidados e principalmente tem amor para compartilhar, entre em contato com a ARCA, através do Facebook e agende uma visita. 

Outra forma de realizar as adoções é através das feirinhas, que são realizadas periodicamente no município. Ivana comentou que na última semana do mês de janeiro, vai ser realizada uma nova feirinha, onde os filhotes serão levados para um local, que ainda não foi definido, para que as pessoas possam conhecê-los e os adotar. 

deixe seu comentário