Últimas Notícias

Com fim de radar móvel, PRF não poderá multar em trechos sem pardais fixos

Artigo 218 contraria sugestão de Jair Bolsonaro que afirmou que agentes poderiam penalizar infrator que excedesse a velocidade limite permitida em determinada via
13/08/2019 - 18h:08min - Fonte: GaúchaZH

O fim do uso de radares móveis em rodovias federais, prometido pelo presidente Jair Bolsonaro em visita ao Rio Grande do Sul na segunda-feira (12), deve impedir multas por excesso de velocidade em locais que não contam com medidores fixos. Ao justificar a medida, o chefe do Executivo disse que a suspensão do serviço não seria um problema, pois agentes poderiam parar e multar o infrator que excedesse a velocidade limite permitida em determinada via.

— Aquele que se excede, a polícia pode pará-lo, sim, e aplicar uma multa que ele merece. Mas não ficar usando como caça-níquel — afirmou o presidente.

No entanto, o artigo 218 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) estipula que a multa por velocidade superior à máxima permitida para o local terá de ser “medida por instrumento ou equipamento hábil, em rodovias, vias de trânsito rápido, vias arteriais e demais vias”. O advogado Cristiano Machado, especialista em direito de trânsito, destaca que esse tipo de ferramenta precisa cumprir uma série de requisitos para a medição ser validada como prova da infração de trânsito:

— Isso é impossível pela mera verificação do agente. Quando tem o aparelho e o mesmo não está devidamente homologado pelo Inmetro ou apresenta algum problema no envio da notificação, ele já é anulado. O que dizer de uma palavra do agente. Isso seria completamente impossível para esse tipo de infração.

Esse é o mesmo entendimento da advogada Andréia Scheffer, presidente da Comissão Especial de Direito do Trânsito da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Sul (OAB-RS). A profissional destaca que o policial rodoviário poderá autuar o motorista por outras irregularidades constatadas na abordagem, mas não por violação do limite de velocidade sem o uso de equipamento que comprove o excedente. 

— Esse motorista pode ser autuado por outros fatores. Daqui a pouco, ele vai estar realizando uma ultrapassagem indevida, estar sem o cinto de segurança. Enfim, ele pode ser abordado e autuado por outro fator, mas o artigo 218, que é excesso de velocidade, prevê que é imprescindível o uso do equipamento, porque não tem como detectar no olho humano que aquele veículo ultrapassou a velocidade permitida na via ou não — explicou Andréia.

Segundo a advogada, a autuação sem o uso de equipamento pode gerar um cenário de aumento nos gastos públicos, pois os condutores multados sem o uso desse tipo de ferramenta ganhariam na Justiça ações movidas contra os órgãos de fiscalização de trânsito:

— Se isso começar a ser feito, vai ocorrer uma enxurrada de anulações de infrações no Judiciário, porque ela é sem prova. Todo o regramento de trânsito para esse tipo de infração exige a prova. Se você não prova que o motorista estava acima da velocidade, essa infração será anulada. Então, vai impactar em um gasto público e pode até gerar lá na frente possíveis indenizações.

Advertência verbal é permitida

Segundo o engenheiro civil e doutor em Transportes da UFRGS João Fortini Albano, a ausência de prova acaba criando um cenário onde predomina “a palavra de um contra o outro”, sem a possibilidade de atestar a irregularidade. Albano cita que, sem o uso do equipamento, caberá ao agente de trânsito apenas advertir verbalmente o motorista suspeito de ultrapassar o limite de velocidade da via, usando o viés educativo na abordagem. 

— Ele só pode advertir. Atacar e dizer “olha, observamos que senhor está em uma velocidade excessiva” e ponto. Mas eu te pergunto, isso vai coibir?

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) no Rio Grande do Sul informou que o assunto está sendo centralizado na diretoria da PRF em Brasília, que não retornou o pedido de esclarecimento até as 16h desta terça-feira (13).

deixe seu comentário