Campo em Dia

Agricultura familiar pode virar subsecretaria no RS

Secretário da Agricultura, Covatti Filho pretende discutir com o governador Eduardo Leite a elaboração de projeto de lei para criação da estrutura
15/01/2019 - 10h:42min - Fonte: GaúchaZH

O atual secretário da Agricultura do Estado, Covatti Filho, quer criar uma subsecretaria voltada à agricultura familiar. Para isso, seria necessária a elaboração de projeto de lei do Executivo. Até o final do governo de José Ivo Sartori, o segmento era atendido pela Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, que foi extinta na atual gestão. Todo o setor primário passou a ser assunto da Secretaria da Agricultura.

– Essa é uma ideia que tenho desde o início. Mas tem de ser trabalhada, conversada com o governador – afirma Covatti Filho sobre a criação da subsecretaria.

Se a proposta ganhar aval do chefe só deve, no entanto, ser apresentada em março. É que o secretário, embora já esteja atuando na pasta, só assume o cargo “no papel” a partir de 1º de fevereiro, quando inicia a nova legislatura na Câmara Federal – ele é deputado federal reeleito. 

Até lá, a ideia é manter os departamentos existentes na antiga secretaria: Agricultura Familiar e Agroindústria, Desenvolvimento Agrário, Cooperativismo, Infraestrutura Rural, Irrigação e Usos Múltiplos da Água – à exceção do departamento administrativo, que deve ser unificado. 

Também deverá ser feito um estudo orçamentário para ver se a criação de subsecretaria traria alguma despesa extra, explica o titular da Agricultura.

O assunto esteve à mesa de conversa, nesta segunda-feira (14), com o deputado federal Heitor Schuch, acompanhado de representante do deputado Elton Weber e do vice-presidente do PSB, Mario Bruck. A legenda havia apontado o secretário da SDR no governo passado e, no atual, deve indicar o presidente da Emater. Aliás, a sugestão de nome já existe e foi feita a Covatti Filho, mas só deverá ser confirmada após aval final da sigla — o presidente José Stédile assume oficialmente a Secretaria de Obras em 1º de fevereiro, quando termina seu mandato como deputado federal.

– Entre perder os dedos e os anéis, preferimos ficar com os dedos. Os programas voltados à agricultura familiar continuarão. Com isso, não ficamos campeões no jogo, mas o vice campeonato foi valorizado – compara Schuch, que era contrário à extinção da SDR, sobre a proposta de criação da subsecretaria.

deixe seu comentário