Colunistas
Nelson Egon Geiger
Por Nelson Egon Geiger
Advogado

OS ANOS DOURADOS II

Publicado: 28/02/2021 às 17:07 | Fonte: Nelson Egon Geiger

A despeito das mazelas daquelas décadas os anos foram de paz e amor, como dito em Woodstock”.

        

         Depois de falar na parte referente às desavenças ideológicas entre comunismo e capitalismo; no começo das grandes invenções inovadoras, como o computador; nos gritos de liberdade da juventude: a revolta dos jovens em Paris em maio/68 e o festival de Woodstock em 69.

 

            Depois de mencionar que nosso Presidente (Getúlio) tirou a própria vida em 54; que o lutador das igualdades raciais Pastor Martin Luther King Jr foi assassinado em abr/68, de Johan Kennedy assassinado em nov/63 continuo dizendo do lado romântico dos ANOS DOURADOS.

 

         Na seqüência há que se lembrar os 04 jovens de Liverpool: o mais lembrado John Lennon, já falecido; como Ringo Starr e Jorge Harrison e o grande Paul MacCartney, ainda vivo, com 79 anos.

 

            Antes, porém, cabe citar a Guerra da Coréia (1951-53) que, exatamente, separou as idéias, com o conflito no Paralelo 38. Até hoje os dois países estão divididos; o mesmo povo dividido ideologicamente. A do Sul progressista; a do Norte, subjugada por Kin Jong un. E, nos anos 60 a guerra do Vietnã (1959/75). Também dividiu o País em “do norte” e “do sul”. Único conflito que o EEUU perdeu. Literalmente, porquanto a “retirada estratégica” do exército americano do País em 1973, pelo General Westmoreland nada mais foi do que “sair par não perder para o General Giap”, do Vietnã do Norte.

 

            Nunca esquecendo as 3 conquistas brasileiras, que trouxe a Copa “Julles Rimet”, definitivamente para o Brasil: em 1958, na Suécia; 1962, no Chile e 1970 no México. E consagrou Pelé como o Atleta do Século XX.

 

            Depois veio a Bossa Nova: nossos cantores. Roberto, Erasmo, Ronie Von, Nara Leão, Jair Rodrigues, Gal Costa, Simonal, que tiveram seu auge nos anos 66 e 67 nos Festivais Internacionais no Rio de Janeiro. Foi aí que surgiu A Banda, consagrando Nara Leão, e Disparada (Geraldo Vandré) cantada por Jair Rodrigues. Dos participantes estrangeiros ficou a figura de Malcolm Roberts no desempenho inigualada de “Love Is All”.

 

            Mas antes, em 1951 através do grande Elvis Presley tinha surgido o rock and roll, expandido por Bill Halley e seus Cometas. Elvis se tornou dos maiores cantores nas 2 décadas, mas culminou com belas baladas.

 

            Nesse tempo o desenvolvimento da tecnologia de comunicações e de transformação do mundo continuava avançando, mas de vagar.

 

            O que se havia superado da II Guerra, terminada em 45, voltou com ranhuras da divisão ideológica do Mundo com as Guerras da Coréia e do Vietnã nas décadas de outro: anos 50 e 60.

 

            Volto a dizer: época que a expansão da ternura superou o romantismo do final do Século XIX e início do XX. Por isso a matéria continua em mais um ou dois artigos dos nossos saudosos ANOS DOURADOS.