Colunistas

NÃO AO ARMAGEDOM EM 2021

05/01/2021 - 14h:09min
Nelson Egon Geiger

Mal terminava 2019 e vieram notícias sobre um “vírus” que surgira em WHUAM, na China, contaminando a população local. A contaminação se difundia. Com resultados mortais, embora não na totalidade, o Governo chinês isolou a região. Em seguida foi admitido pela OMS, órgão mundial da saúde vinculado à ONU que se tratava de uma “pandemia”.

No início do findado 2020 surgiram as primeiras notícias do “vírus” então detectado e nominado como “COVID 19”  espalhando-se por todo o Mundo. Chegou no Brasil. Em março estava disseminado.

O porcentual de mortes não atingiu quantidade catastrófica. Nem a disseminação sem mortes ultrapassou algo parecido com as maiores epidemias que assolaram o mundo: a peste negra, no fim da Idade Média ou a gripe espanhola no ano de 1918. Aquela ficou mais restrita à Europa e matou milhões de pessoas quando a Terra nem sequer tinha um bilhão de seres humanos. A última beirou cem milhões de vítimas em um tempo de 1,7 bilhões de habitantes no Mundo.

A peste negra custou a cessar o que mais decorreu do atraso medieval do que de prevenção, incipiente na época. A gripe espanhola embora combatida com poucos recursos medicinais obteve algum apoio científico. Agora, o COVID-19, em um tempo de desenvolvimento técnico e científico que se multiplica geometricamente terá o combate direto de vacinas e vacinações em massa. A humanidade, ao contrário dos tempos idos da Idade Média e do final da II Grande Guerra, hoje é consciente. Não vai reagir de forma contrária ao medicamento preventivo.

No último livro da Bíblia, Apocalipse, o aposto João viu os quatro cavaleiros: peste, guerra, morte e fome (Ap 6, 2.8). As pestes que assolaram o Mundo desde então foram todas vencidas. E esta já ruma para seu final. Então, a batalha do Armagedom (Ap 16, 16) não vai acontecer por agora.Como havia deixado para trás a profecia do calendário MAIA que marcava o fim dos tempos em 21 de dezembro de 2012.

A Bíblia contém outras anotações do final dos tempos. Daniel (12, 4) fala do “tempo do fim”. Joel (2, 31) profetizou que “O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue antes que venha o grande e terrível Dia do Senhor”. Cores que o Apóstolo João repete no Apocalipse (6, 12)”.

Mas criada por Deus e dotada de inteligência e livre arbítrio a humanidade vem conseguindo vencer os obstáculos. Os cavaleiros do livro de João ainda andam por aí. A fome assola boa parte do Planeta. A guerra é ameaça constante e hoje poderá ser devastadora se nuclear. A morte sempre na espreita. E a peste já atuou diversas vezes. Enquanto assim caminha a humanidade ficará distante do Armargedon, que não virá em 2021.

deixe seu comentário