Colunistas

A personalidade dos presidentes

15/08/2019 - 09h:00min
Nelson Egon Geiger

O Presidente Jair Bolsonaro esteve na segunda-feira em Pelotas e Barra do Ribeiro em trechos da BR 116, inaugurando parte da duplicação da faixa. Estrada foi iniciada na década de 50 teve acelerado sua conclusão no Governo JK, quando iniciado parte do asfalto. Que terminou em 1963, inaugurado pelo então Presidente João Goulart que esteve, pessoalmente, no Passo do Mendonça, hoje Cristal, naquele ato.

            Bolsonaro nos discursos que fez nos locais mostrou diretamente aos gaúchos sua personalidade. Sendo marca pessoal a forma de falar, os gestos e a maneira da pessoa se comunicar, o Presidente deixa claro “his way”, parafraseando a música cantada por Frank Sinatra (“my way”).

 

            Engraçadaa personalidade dos Presidentes brasileiros. O Marechal Deodoro da Fonseca era um homem doente, resmungão, enérgico, teimoso. O Marechal Floriano Peixoto homem de uma seriedade e honestidade ímpar. Andava no Rio de Janeiro, então Capital do Brasil, sozinho, sem seguranças. Utilizava-se do bonde e pagava a passagem às suas expensas. 

 

            Os civis: Prudente de Morais, Rodrigues Alves, e outros sem grandes marcas pessoais. Washington Luiz era austero, não perseverante. Sobreveio Getúlio Vargas que liderou a Revolução que depôs Washington e ficou 15 anos entre um poder provisório e um ditatorial.

 

            Cauteloso, Vargas mais ouvia do que falava. Discursava para o povo; falava quando necessário e cuidava mais de ouvir do que alardear. Sabia contornar a adversidade; gerenciar dificuldades; e manobrar mazelas. Sem dúvidas o mais importante dos dirigentes brasileiros. Não se deixava levar por vaidades, nem era fingido. Maneiroso e eficiente. Projetou o Brasil no mundo. Retornou depois de Dutra termin na tragédia do suicídio.

 

            O General Eurico Gaspar Dutra era rígido, porém simples. Calmo, quieto, sem sorrir, administrou sem alardes. Manteve o Brasil em seu lento crescimento. Depois do suicídio de Vargas, veio Juscelino Kubscheck, sorridente, desbravador, eufórico, empreendedor, impulsionou o desenvolvimento. Jânio Quadros em poucos meses renunciou. Folclórico, demagogo, populista e desregrado culminou em “cair fora”. Assumiu o Vice, João Goulart deposto pelos militares em 1964, excelente orador.

 

            No Regime Militar (21 anos). Castelo Branco era fechado, não sorria, sisudo, cauteloso com as palavras. Costa e Silva bonachão, simples, falava pouco. Emílio Médici nunca sorriu; silencioso e casmurro foi duro no combate aos inimigos do regime. Ernesto Geisel o mais eficiente administrador do período militar. Falava pouco, mas correto; sem promessas vãs. Eficiente e tenaz.

 

João Figueiredo era direto ao falar. Preferia os cavalos ao povo como disse certa vez. Mas cumpriu sua promessa de encerrar o ciclo e entregar para um civil.

 

            Fernando Collor, demagogo falava contra altos salários, nominados de “marajás”, mas nada vez. Impetuoso desprezou o Congresso. Brigou com congressistas; isolou-se; afrontou a imprensa. Culminou em ser afastado do cargo por “impeachment”. Substituído por Itamar Franco, que era simples, risonho, brincalhão. Porém eficiente na escolha dos assessores.

 

            Fernando Henrique culto, eficiente, brilhante orador, capaz de falar com empresários e com o povo. Já tinha deixado sua marca como Ministro da Fazenda de Itamar ao criar o Plano Real.

 

            Foi quando surgiu o maior demagogo e populista de todos os tempos: LULA. Pouco alfabetizado mas metido parece que acredita até mesmo em suas mazelas quando nega a corrupção estonteante de seu Governo. Dilma uma gerentona. Sem cautelas atropelava a administração. Em dizer bobagens bateu todos os recordes: “estocar o vento; mulher sapiens”. Deu no que deu.

 

            Agora Bolsonaro, com uma forma direta de falar. Às vsezes até mesmo deixa caminho para crítica da imprensa e dos adversários. Mas é assim: a personalidade cada tal tem diferente. De Deodoro a Jair.

 

TRIBUNA – Edição de 16 de agosto de 2019.___.     

deixe seu comentário