Colunistas

A Enxurrada

22/02/2021 - 17h:37min
Alvorino Osvaldt - Controle Geral

Ligar a TV e dar de cara com uma notícia sobre enchentes virou algo corriqueiro. A temporada de chuvas fortes e contínuas ocorre com frequência durante o verão, porém, eventualmente a população tem que enfrentar a onda de inundações que abatem as regiões do Brasil. São inúmeros prejuízos e transtornos causados pelos alagamentos, afinal, quem nunca ficou preso no trânsito por conta da chuva. Geralmente, esses problemas estão relacionados ao acúmulo da água das chuvas sem a existência de meios necessários para o seu escoamento, consequência de um processo de urbanização sem planejamento. Antes de nos prepararmos para encarar essas adversidades precisamos saber com o que estamos lidando. Pois no último sábado fomos abatidos por uma dessas enxurradas, foi pouco tempo, mas o suficiente para alagar casas de nossos bairros, Vila Nova, Santa Teresa, Ouro Verde e tantos outros, cujas fotos pudemos ver pelas redes sociais em grande quantidade. Geralmente os mais atingidos são os menos aquinhoados, que com uma estrutura mais acanhada não conseguem se livrar da inundação. As dificuldades ocorrem quando a elevação do nível d’água nos canais de drenagem devido ao aumento da vazão, alcançando a cota máxima, sem que consigam dar conta de levá-las aos locais adequados. Sobe o volume e atinge residências causando os transtornos que estamos acostumados a observar. Aqui em Camaquã este problema já é antigo e embora já tenham sido feitos diversos investimentos tentando melhorar a situação, as dificuldades persistem. Estudos estão sendo feitos pelo atual governo no sentido de realizar projetos que, no entanto, ainda não estão concluídos. Terminado o plano há necessidade de angariar recursos para realizar o projeto que daí surgirá. O saudoso Dr. Renato Zenker era um contumaz estudioso do percurso das águas da cidade e por inúmeras vezes abordou com propriedade a questão em nosso programa. Não se pode culpar este ou aquele governo pela questão, eis que qualquer obra a ser feita neste sentido exige muito dinheiro, coisa que os municípios não têm. Aguardemos que possamos concluir os projetos de estudo do fluxo das águas de Camaquã, a fim de que tomemos medidas que realmente ajudem a dar uma solução para esta questão que aflige as populações de nossos bairros, principalmente os mais pobres!

Para você pensar:

“Tal como uma grande enchente leva de enxurrada uma aldeia que dorme, também a morte apanha e leva de enxurrada o homem de mente apegada, delirando pelos seus filhos e gado”. (Sidarta Gautama (Buda))

deixe seu comentário