Colunistas

A GRANDE ESPERAÇA NA VITÓRIA

16/04/2020 - 09h:58min
Nelson Egon Geiger

No dia 14 de abril de 1912, do que decorrem 108 anos, naufragou no Atlântico Norte o TITANIC, maior navio até então construído e em sua viagem inaugural. Entre Southampton, na Inglaterra e Nova Iorque. Morreram 1.496 pessoas; sobrevieram pouco mais de 700. Os orgulhosos construtores do monumental navio diziam: “este nem Deus afunda”. Foi derrotado por um “iceberg” na primeira viagem.

Em 1918 a “gripe espanhola” matou mais de 50 milhões de pessoas no Mundo; da Europa aos demais continentes. Quando a Terra tinha um bilhão e setecentos mil habitantes. Antes, no século XVI, a “peste negra” acabou com um terço da população mundial.

E o Mundo sofreu outras hecatombes: A I Grande Guerra; a II Guerra. Aquela entre 1914-18; a última de 1939-45. Sobreviveu a todas. Claro com muitas e muitas mortes, doenças, ferimentos e suas conseqüências. Agora o COVID-19 nos assola.

Na ZH de hoje (15) o preclaro jornalista David Coimbra menciona outras atrocidades que assolaram o Mundo. Ou parte dele. Citou especialmente a Inglaterra o que sofreu nos séculos IX e X com as invasões dos “vikings”.  O que faziam com as pessoas. Torturavam; decepavam membros; cortavam narizes. Relata o episódio de um mosteiro de freiras que elas próprias se cortam na face para evitar serem violentadas pelos bárbaros. Ante a fealdade que ficaram os rostos não sofreram estuprados. Mas os “vikings” culminaram em incendiar o Mosteiro e elas morreram queimadas.

É de se lembrar, também, o que outros bárbaros fizeram pela Europa naquela época. Como os caucasianos Hunos, liderados por Átila, quem o povo chamava de “o flagelo de Deus”, chegaram às portas de Roma dizimando vilas e aldeias por toda a parte.

Então a humanidade já sofreu muito ao longo dos seus dez mil anos de existência contada. Dos pré-históricos homens das cavernas, da idade da pedra e do fogo pouco se sabe. Todavia é fácil imaginar a sua difícil sobreviv6encia. Até a intervenção Divina que criou o ser desenvolvido, à Sua imagem. Ser que este culminou expulso do Édem por seus atos contrários às ordens do Criador. Daí se tem a trajetória humana até hoje.

Ao final temos sempre sobrevivido. Já escrevi aqui que se espera ainda não seja a vez do 1º Cavaleiro do Apocalipse (a peste) iniciar a destruição da raça humana. Espera-se que, por mais e mais tempo, a humanidade possa continuar sua caminhada, enfrentando tribulações, em tempos de desenvolvimento e busca do aperfeiçoamento maior. Não só científico e técnico. Sim do ser pensante; preocupado com seu semelhante. A lição do “corona” seja tão somente mais um capítulo em busca da vitória do humanismo; da solidariedade; e do amor.

 

EDIÇÃO de 15 de abril de 2020.___.

deixe seu comentário