Colunistas

DOS MEANDROS DO PODER ÀS MAZELAS DO PRESIDENCIALISMO

09/04/2020 - 09h:44min
Nelson Egon Geiger

O assunto hoje é o que emana, porque não está descrito com todas as letras, das notícias jornalísticas de 2ª feira e 3ª feiras. Veiculando sem afirmação taxativa que o Presidente Jair Bolsonaro, acenou com possível demissão do Min. da Saúde, Luiz Henrique Mandeta. Mas, teria sido barrado, o que as notícias dizem como “aconselhado”, pelos Presidentes do. Senado, do STF e da Câmara e até pelo Vice-Presidente da República, Gen. Mourão a não usar a caneta com demissão.

Presidentes do Senado e Câmara (David Alcolumbre e Rodrigo Maia) são do partido DEMOCRATA, o mesmo do Ministro Mandeta. Evidente que, aí, também funcionou o interesse partidário. Outro assessor influente do Presidente, o Gen. Braga Netto (Casa Civil) estaria no mesmo sentido: não é hora de demissão, em meio à crise da pandemia.

Segundo a ZH de hoje (08 – pág. 10) o Presidente estava disposto a encerrar o assunto com a demissão que não houve. Pois bem quem tem o poder de nomear e dispensar Ministros é o Presidente. Isso no regime de governo denominado presidencialista.

Por isso sou parlamentarista. Regime governamental em que esses problemas não existem. Ou, pelo menos, terminam sem haver ranhuras entre os administradores. Sim, porquanto tanto o Presidente Jair como seus Ministros, são administradores. E para a administração funcionar bem, torna-se necessária a harmonia entre os seus membros.  

Pois, no parlamentarismo tal situação não acontece deixando arranhões. Eis que o Primeiro Ministro é chefe de Governo e o Presidente da República chefe de Estado. Aquele dá as “tintas” internas da administração e o último representa o País externamente, em nome do povo.

Espera-se, então, que, para o bem da nação, o isolamento mais duro que vem sendo praticado dê efeito. E a pandemia acelere sua queda, para que tudo retorne ao normal. E que se possa trabalhar, como corretamente quer o Presidente. Na paralisação longa, toda nação perde.

O jornalista Alexandre Garcia escreveu: “preferível o Presidente Bolsonaro falando demais, do que Lula e Dilma mandando nosso dinheiro para fazer porto em Cuba, comprar uma refinaria falida em Pasadena, financiar ditadores na Venezuela, Angola, Congo, Zimbabwe, ao invés de investir no SUS. Para que hoje tivéssemos mais e melhores condições de combater a pandemia”.  E, evidente, sem criar hoje problemas internos de Governante e Ministros. Problemas esses que, no regime presidencialista acontecem. Não parlamentarismo, que ainda tenho esperança de ver implantado no Brasil. Resolvem-se sem meandros e sem mazelas.

deixe seu comentário