ClicRádio

Menina de 11 anos é atingida por pedra no bairro Olaria

Apedrejamentos no bairro Olaria duram um mês e já atingiram adultos, crianças e até cachorros; residências tem moradores acamados e crianças de colo
Por: Elias Bielaski | Publicado: 10/03/2021 às 00:00 | Alterado: 22/04/2021 às 11:06
Foto: Igor Garcia / Clic Camaquã
Foto: Igor Garcia / Clic Camaquã

programa Manhã Show desta quarta-feira, 10 de março, recebeu moradores do bairro Olaria que estão tendo suas casas apedrejadas à semanas. O caso já teve a atuação da Brigada Militar e atualmente é investigado pela Polícia Civil. O casal Paulo Sérgio Flores e Andreia Fonseca da Silva trouxeram o relato da situação vivida por eles e por diversos moradores de residências próximas, nas ruas Marcílio Dias Longaray e Ana Gonçalves da Silva.

Clique aqui e acompanhe a programação da ClicRádio no seu celular.

Os apedrejamentos começaram em fevereiro e na primeira semana, a reportagem esteve no local e durante transmissão ao vivo, conversou com os moradores. Clique aqui e assista. Os casos foram registrados junto à Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) pelos moradores, que relataram que não conseguem dormir, já que durante a noite os ataques são ainda mais intensos.

Na foto que ilustra a matéria (veja acima), é possível notar o tamanho das pedras utilizadas pelos criminosos, que danificaram telhados e veículos de diversos moradores. Além da perturbação constante, os apedrejamentos já feriram Andreia, que trouxe uma das pedras que atingiu sua cabeça. Uma menina de 11 anos e o cachorro de um dos moradores também foram atingidos durante os ataques.

Os moradores demonstraram consternação com os ocorridos e relataram que juntos aos seus vizinhos, que também são alvo dos ataques, circularam por toda a redondeza das residências durante o dia e durante a noite e até o momento, não identificaram quem são os autores. 

Clique aqui e receba as notícias da região no seu celular.

Assista o programa da ClicRádio apresentado por Igor e Celiomar Garcia:

Os moradores relataram que não há mais tranquilidade para permanecer no pátio ou no interior das residências, nem para viver no local: "Não conseguimos nem almoçar direito", relatou Andreia. Segundo ela, em virtude dos ocorridos, diversas situações de conflito também acabaram sendo geradas entre os vizinhos, que começaram a suspeitar uns dos outros.

Eles não descartaram a possibilidade de que os ataques sejam feitos por algum morador das proximidades. Eles também relataram que a possibilidade é de que os criminosos estejam em algum ponto onde é possível enxergar os moradores na rua e as residências, já que quando a Polícia ou os moradores sobem nos telhados, os ataques cessam.

Baixe o aplicativo da ClicRádio e acompanhe os programas ao vivo.

deixe seu comentário