Colunistas

São Borja dos Presidentes

26/03/2018 - 14h:10min
Nelson Egon Geiger

Inexiste cidade outra no Brasil, incluindo São Paulo, que tem quatorze milhões de habitantes, com o privilégio de SÃO BORJA, em nosso Estado. Cidade pouco maior que Camaquã. Que tenha tido mais de uma pessoa nascida no local que ocupasse a Presidência do País.

Pois essa é a São Borja dos Presidentes. De lá emergiram para governar o Brasil, Getúlio Vargas e João Goulart. Somado o tempo dos dois ex Presidentes, Getúlio, em dois períodos ocupou o cargo, na primeira vez, incluindo a chefia pela Revolução de Trinta, o Governo Constitucional de 1934 e o Estado Novo e no mandato eleito de 1950 / 1954, durante 19 anos. João Goulart governou de 1961 a 1964. Totalizaram 22 anos.

Políticos do Estado de São Paulo e do Rio, nunca ultrapassaram 4 anos. Exceto Fernando Henrique, carioca, com dois mandatos: 08 anos. 

Pois o nefasto, metido a inocente e a honesto, dirigente da quadrinha que assaltou o País desde 2003, condenado em Segunda Instância pelo TRF, em Porto Alegre, a 12 anos de prisão por desmandos administrativos, corrupção ativa, passiva, lavagem de dinheiro e outros delitos contra o patrimônio público, pretendendo ser candidato novamente (que Deus nos livre) entendeu em chegar a São Borja.

O indigesto LULA, acompanhado pela insolente, pretensiosa, agressiva e também detentora de processos por crimes contra o erário público, juntamente com o marido, Senadora Gleisi Hoffmann, atual Presidente do PT, e mais alguns figurões da legenda resolveram fazer uma caminhada nacional.

Pois no norte e nordeste até mesmo tiveram boa recepção. Mas no sério Rio Grande do Sul, sofreram hostilidades populares em Bagé, Santa Maria e na histórica São Borja. Nesta última o sedizente “mais honesto de todos os brasileiros”, dono do triplex de Guarujá e do sitio de Atibaia, quis fazer proselitismo no túmulo de Getúlio Vargas.

Nem mesmo conseguiu entrar na cidade de forma pacífica. Já foi hostilizado na entrada. Querer se comparar a Getúlio ou a Jango, visitando seus túmulos, muito menos. O Rio Grande não compactua com políticos desonestos quanto ao patrimônio público. Não aceita a empáfia. A pretensão desmesurada. A tentativa de ser o que “não é”.

Não seu LULA e dona Gleisi. Os gaúchos não permitem macular São Borja dos Presidentes. Única cidade que nos deus dois mandatários. E nenhum processado ou condenado por corrupção. Em Passo Fundo, nem mesmo puderam ingressar na cidade. Que bom. Respeitem os gaúchos.

 

deixe seu comentário